Chocante: Adolescente violada por professor, advogado, ginecologista e polícia em dois anos

O Ministério Público do Kosovo acusou seis homens, entre os quais um professor do ensino secundário, um polícia, um advogado e um ginecologista, de violarem uma adolescente, de acordo com o jornal SOL. O caso está a chocar a comunidade local....

Chocante: Adolescente violada por professor, advogado, ginecologista e polícia em dois anos
O Ministério Público do Kosovo acusou seis homens, entre os quais um professor do ensino secundário, um polícia, um advogado e um ginecologista, de violarem uma adolescente, de acordo com o jornal SOL. O caso está a chocar a comunidade local. A situação foi revelada pelo site de investigação online Insajderi, em fevereiro deste ano. Os abusos sexuais começaram quando a jovem tinha 16 anos e ocorreram durante dois anos – 2017 e 2018 - com regularidade. A jovem chegou mesmo a engravidar e foi obrigada a abortar, de acordo com a mesma fonte. Tudo começou quando a jovem se envolveu sexualmente com o seu professor, que lhe disse que iria casar com ela em 2017. Quando descobriu que o homem era casado, a jovem denunciou-o às autoridades. O polícia com quem a adolescente falou, ameaçou-a e disse que iria contar aos seus pais que esta mantinha um relacionamento com o professor. A fim de evitar que os pais descobrissem o relacionamento, a jovem deveria encontrar-se com o polícia num hotel, quatro vezes por semana. Receosa, a adolescente acabou por acatar o pedido, tendo sido violada diversas vezes pelo agente, e acabando mesmo por engravidar em janeiro de 2018. O homem obrigou-a a abortar, levando-a para a capital do Kosovo, Pristina. Ao chegar a Pristina, a adolescente foi novamente violada, desta feita pelo ginecologista que lhe realizou o aborto. Mais tarde, foi também abusada sexualmente pelo advogado designado para o seu caso. Sobre os outros dois suspeitos não foram partilhados dados, esclarece o SOL. A história da jovem está a chocar o país e gerou um grande debate público sobre a figura da mulher em Kosovo, que é considerado um país muito conservador. O Presidente do país disse que este caso era “trágico e monstruoso”, revela o El Mundo.