“Comportamento exemplar revelador de uma sociedade com grande maturidade”, Miguel Albuquerque

Com a presença de 24 deputados, na ALRAM, coube a Miguel Albuquerque abrir o debate mensal, deste mês de maio. O presidente do Governo Regional começou logo por exaltar “o elevado sentido cívico demonstrado pela nossa população”, que, no seu entender releva “um comportamento exemplar revelador de uma sociedade com grande maturidade”. Atente-se, na íntegra, ao discurso de abertura do presidente do Governo regional da Região autónoma da Madeira: "Permitam-me, em primeiro lugar, dizer a todos vós que é um grande prazer voltar a esta casa, que representa o Povo madeirense, para retomarmos os nossos debates mensais. Esta Assembleia na sua matriz democrática deve refletir as diferentes sensibilidades e opções políticas dos nossos concidadãos. Mas em alturas de crise, como a que vivemos, espelha igualmente a nossa força comum de ultrapassarmos, todos juntos, com coragem e com determinação, as dificuldades presentes que afetam cada um de nós e as nossas famílias. Quero agradecer hoje, e louvar, o elevado sentido cívico e responsabilidade social mais uma vez demonstrado pelo nosso Povo. No cumprimento das regras determinadas pelas autoridades de saúde pública. Foi e continua a ser um comportamento exemplar, revelador de uma sociedade com grande maturidade e clarividência, na salvaguarda dos seus interesses comuns. Agradeço igualmente, o empenho, dedicação e trabalho dos nossos profissionais de saúde pública, da proteção civil, da segurança social, da manutenção de infraestruturas, das IPSS’s, do apoio domiciliário, dos professores, do abastecimento alimentar, dos nossos agricultores, em suma, de todos aqueles que nestas horas difíceis que vivemos, continuaram a trabalhar para que nada faltasse à nossa comunidade. Uma palavra especial de reconhecimento às autoridades policiais e forças militares, que mais uma vez, com profundo sentido do dever, e com elevado risco, continuam a fazer cumprir as orientações das autoridades de saúde competentes. Uma palavra especial de apreço aos nossos cidadãos mais idosos, logo mais vulneráveis, pelo seu sentido de sacrifício e incómodos que continuam a suportar, devido ao seu confinamento profilático, que os impede de estar com os seus filhos e netos, nestes dias difíceis que atravessamos. É extraordinária a compreensão que demonstraram e continuam a demonstrar, perante esta adversidade inesperada e que a todos afeta. Uma palavra também de agradecimento, aos meus colegas de governo, quadro da administração, autarcas e funcionários públicos, que mesmo, muitas vezes a partir de casa, continuaram a trabalhar connosco desde há mais de um mês e meio, no combate a esta pandemia, num apoio permanente à nossa população. Não farei aqui uma cronologia dos acontecimentos que todos conhecem. Gostaria de sublinhar, porém, que o Governo da Madeira, desde o início, levou muito a sério esta ameaça à saúde pública e desde a primeira hora atuou sem contemplações, na determinação de medidas preventivas, para conter a difusão da pandemia na nossa Região Autónoma da Madeira. Gostaria de lembrar a Vossas Excelências que no dia 3 de fevereiro de 2020, foi apresentado o Plano de Contingência Regional. Da mesma forma, no dia 27 de janeiro foram iniciadas as ações de formação e divulgação, com o objetivo de capacitar todas as entidades da RAM face a esta ameaça pandémica, bem como os responsáveis pelas portas de entrada na Região, ANA, APRAM e Turismo. A partir daí, conseguimos antecipar, graças aos poderes que a Autonomia Política nos faculta, todas as medidas de contenção e mitigação necessárias para um combate eficaz a esta pandemia na Região. Recordo ainda a Vossas Excelências, que foi a Autoridade de Saúde a primeira a decretar o Estado de Alerta em toda a Região Autónoma, a 13 de março de 2020, o que nos permitiu assumir medidas inadiáveis e importantes para o controlo da pandemia no nosso território. A partir daí, a nossa prioridade foi a defesa da saúde e do bem estar da nossa população. Foram estes os valores cimeiros que estiveram na base das nossas decisões e da nossa estratégia. Aliás, para nós e para qualquer pessoa de bom senso, não faz qualquer sentido estabelecer uma dicotomia entre a saúde e a economia. Uma comunidade onde as pessoas não podem disfrutar de uma vivencia normal, devido a uma crise de saúde pública, não pode assegurar uma qualquer economia funcional e produtiva normal. A Região Autónoma da Madeira, até agora tem sido capaz de controlar e monitorizar as situações de contágio potenciais e reais. As medidas profiláticas adotadas têm-se revelado eficazes até este momento. Temos tido um baixo índice de contágio e felizmente não temos a lamentar qualquer morte por covid-19 até ao dia de hoje. Isso, porém, não significa que o vírus esteja erradicado da nossa Região Autónoma da Madeira e não significa também que não possam surgir, a qualquer momento, novas cadeias de transmissão u novos surtos de contágio. Por isso temos de manter e cumprir as medidas de preve

Com a presença de 24 deputados, na ALRAM, coube a Miguel Albuquerque abrir o debate mensal, deste mês de maio. O presidente do Governo Regional começou logo por exaltar “o elevado sentido cívico demonstrado pela nossa população”, que, no seu entender releva “um comportamento exemplar revelador de uma sociedade com grande maturidade”. Atente-se, na íntegra, ao discurso de abertura do presidente do Governo regional da Região autónoma da Madeira: "Permitam-me, em primeiro lugar, dizer a todos vós que é um grande prazer voltar a esta casa, que representa o Povo madeirense, para retomarmos os nossos debates mensais. Esta Assembleia na sua matriz democrática deve refletir as diferentes sensibilidades e opções políticas dos nossos concidadãos. Mas em alturas de crise, como a que vivemos, espelha igualmente a nossa força comum de ultrapassarmos, todos juntos, com coragem e com determinação, as dificuldades presentes que afetam cada um de nós e as nossas famílias. Quero agradecer hoje, e louvar, o elevado sentido cívico e responsabilidade social mais uma vez demonstrado pelo nosso Povo. No cumprimento das regras determinadas pelas autoridades de saúde pública. Foi e continua a ser um comportamento exemplar, revelador de uma sociedade com grande maturidade e clarividência, na salvaguarda dos seus interesses comuns. Agradeço igualmente, o empenho, dedicação e trabalho dos nossos profissionais de saúde pública, da proteção civil, da segurança social, da manutenção de infraestruturas, das IPSS’s, do apoio domiciliário, dos professores, do abastecimento alimentar, dos nossos agricultores, em suma, de todos aqueles que nestas horas difíceis que vivemos, continuaram a trabalhar para que nada faltasse à nossa comunidade. Uma palavra especial de reconhecimento às autoridades policiais e forças militares, que mais uma vez, com profundo sentido do dever, e com elevado risco, continuam a fazer cumprir as orientações das autoridades de saúde competentes. Uma palavra especial de apreço aos nossos cidadãos mais idosos, logo mais vulneráveis, pelo seu sentido de sacrifício e incómodos que continuam a suportar, devido ao seu confinamento profilático, que os impede de estar com os seus filhos e netos, nestes dias difíceis que atravessamos. É extraordinária a compreensão que demonstraram e continuam a demonstrar, perante esta adversidade inesperada e que a todos afeta. Uma palavra também de agradecimento, aos meus colegas de governo, quadro da administração, autarcas e funcionários públicos, que mesmo, muitas vezes a partir de casa, continuaram a trabalhar connosco desde há mais de um mês e meio, no combate a esta pandemia, num apoio permanente à nossa população. Não farei aqui uma cronologia dos acontecimentos que todos conhecem. Gostaria de sublinhar, porém, que o Governo da Madeira, desde o início, levou muito a sério esta ameaça à saúde pública e desde a primeira hora atuou sem contemplações, na determinação de medidas preventivas, para conter a difusão da pandemia na nossa Região Autónoma da Madeira. Gostaria de lembrar a Vossas Excelências que no dia 3 de fevereiro de 2020, foi apresentado o Plano de Contingência Regional. Da mesma forma, no dia 27 de janeiro foram iniciadas as ações de formação e divulgação, com o objetivo de capacitar todas as entidades da RAM face a esta ameaça pandémica, bem como os responsáveis pelas portas de entrada na Região, ANA, APRAM e Turismo. A partir daí, conseguimos antecipar, graças aos poderes que a Autonomia Política nos faculta, todas as medidas de contenção e mitigação necessárias para um combate eficaz a esta pandemia na Região. Recordo ainda a Vossas Excelências, que foi a Autoridade de Saúde a primeira a decretar o Estado de Alerta em toda a Região Autónoma, a 13 de março de 2020, o que nos permitiu assumir medidas inadiáveis e importantes para o controlo da pandemia no nosso território. A partir daí, a nossa prioridade foi a defesa da saúde e do bem estar da nossa população. Foram estes os valores cimeiros que estiveram na base das nossas decisões e da nossa estratégia. Aliás, para nós e para qualquer pessoa de bom senso, não faz qualquer sentido estabelecer uma dicotomia entre a saúde e a economia. Uma comunidade onde as pessoas não podem disfrutar de uma vivencia normal, devido a uma crise de saúde pública, não pode assegurar uma qualquer economia funcional e produtiva normal. A Região Autónoma da Madeira, até agora tem sido capaz de controlar e monitorizar as situações de contágio potenciais e reais. As medidas profiláticas adotadas têm-se revelado eficazes até este momento. Temos tido um baixo índice de contágio e felizmente não temos a lamentar qualquer morte por covid-19 até ao dia de hoje. Isso, porém, não significa que o vírus esteja erradicado da nossa Região Autónoma da Madeira e não significa também que não possam surgir, a qualquer momento, novas cadeias de transmissão u novos surtos de contágio. Por isso temos de manter e cumprir as medidas de prevenção recomendadas pela autoridade de saúde. Os efeitos sociais e económicos devastadores para a nossa economia, determinaram que, a par dos apoios disponibilizados para as empresas e para os cidadãos pelo Governo nacional, o Governo Regional da Madeira apresentasse um quadro de apoios de âmbito empresarial e social desde a primeira hora, quer diretos quer indiretos. Têm como objetivo, não só complementar os apoios nacionais mas também levar em linha de conta algumas especificidades próprias da nossa Região e do nosso setor empresarial, composto sobretudo por pequenas e medias empresas. Estes apoios têm tido um excelente acolhimento por parte dos nossos empresários, e serão reforçados enquanto for necessário garantir a liquides e os empregos. A atual situação do surto pandémico na Região, permitiu que o Governo Regional iniciasse com cautela e de forma gradual, a reabertura de importantes sectores da nossa economia, pelo que se o quadro da evolução da epidemia se continuar a revelar favorável, iremos continuar a fazê-lo nas próximas semanas. Nesta como em outras situações, temos de continuar a reagir com bom senso, com realismo e sem precipitações. Até agora nas atividades cuja reabertura já está autorizada, na indústria, comércio ou serviços, quer os empresários, quer os funcionários quer os clientes têm agido no cumprimento das regras de distanciamento social e de utilização dos equipamentos de proteção. Isso dá-nos fundadas esperanças de que continuaremos no caminho correto de retoma económica. Nas próximas semanas continuaremos a trabalhar no sentido de reabrir novos setores. Aguardamos que o Governo nacional atenda às nossas justas reivindicações e contamos com a solidariedade de todos os cidadãos, forças sociais e políticas para ultrapassarmos com sucesso esta grande provação que a nossa Região e o nosso Povo enfrentam”