Congresso pede a Pompeo que entregue documentos da investigação ucraniana

Várias comissões do Congresso dos Estados Unidos que investigam os contactos do Presidente norte-americano, Donald Trump, com Kiev, para iniciar um julgamento político, requereram documentos ao secretário de Estado, Mike Pompeo. As comissões...

Congresso pede a Pompeo que entregue documentos da investigação ucraniana
Várias comissões do Congresso dos Estados Unidos que investigam os contactos do Presidente norte-americano, Donald Trump, com Kiev, para iniciar um julgamento político, requereram documentos ao secretário de Estado, Mike Pompeo. As comissões também chamarão a depor durante as próximas duas semanas cinco funcionários do Departamento de Estado - equivalente ao Ministério dos Negócios Estrangeiros - com conhecimento dos factos que investigam, segundo um comunicado conjunto. Entre os citados, figura a embaixadora dos Estados Unidos na Ucrânia, Marie Yovanovitch, que deporá a 02 de outubro, o ex-enviado especial dos EUA para a Ucrânia – demitido na sexta-feira -, Kurt Volke, e o embaixador de Trump para a União Europeia (UE), Gordon Sondland (dia 10). Estas são as primeiras citações emitidas pelas comissões, que desde terça-feira investigam os contactos entre Trump e Kiev para desencadear um processo político, uma ação ordenada pela presidente da Câmara Baixa, a democrata Nancy Pelosi. No epicentro do terramoto político encontra-se a chamada de 25 de julho na qual Trump pediu ao homólogo ucraniano, Vladimir Zelenski, que investigasse o ex-vice-presidente e pré-candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, e a família, por alegada corrupção na Ucrânia. Trump, além do mais, bloqueou uma transferência de cerca de 400 milhões de dólares (cerca de 365 milhões de euros) em ajuda militar a Kiev, semanas depois do telefonema com Zelenski. A chamada levou um funcionário – um agente da CIA, de acordo com o jornal New York Times -, a apresentar uma queixa interna, que após uma luta política entre o Congresso e o Governo se tornou pública esta semana e provocou o início do processo para um julgamento político contra Trump. Na quinta-feira, Pompeo tentou demarcar o Departamento de Estado do escândalo com a Ucrânia, perante a crescente suspeita do Congresso sobre o possível papel do titular dos Negócios Estrangeiros. “Até onde sei, e pelo que vi até agora, todas as ações dos funcionários do Departamento de Estado foram completamente adequadas e coerentes com o objetivo que temos tido”, disse Pompeo. Não obstante, o advogado pessoal do Presidente, Rudy Giuliani, que é descrito na queixa como “figura central” da trama, afirmou que os seus contactos com a Ucrânia ocorreram na sequência de um pedido do Departamento de Estado.