Coronavírus: Embaixada em Pequim alerta portugueses na China para medidas de quarentena

A embaixada portuguesa em Pequim alertou hoje os residentes na China para a "evolução muito rápida" do novo coronavírus no país, apontando a celeridade com que as autoridades locais estão a implementar medidas de quarentena. "Sublinhamos que...

Coronavírus: Embaixada em Pequim alerta portugueses na China para medidas de quarentena
A embaixada portuguesa em Pequim alertou hoje os residentes na China para a "evolução muito rápida" do novo coronavírus no país, apontando a celeridade com que as autoridades locais estão a implementar medidas de quarentena. "Sublinhamos que a evolução da situação é muito rápida e que as decisões das autoridades chinesas em impedir a circulação de transportes ou de implementar medidas de quarentena não são comunicadas com antecedência e têm aplicação praticamente imediata", lê-se na nota, difundida através do portal oficial da embaixada. A notificação surge depois de o ministro da Saúde da China, Ma Xiaowei, ter revelado que os infetados com o novo coronavírus, originário na cidade de Wuhan, no centro do país, podem transmitir a doença durante o período de incubação, que demora entre um dia e duas semanas. Durante aquele período, os infetados não revelam sintomas, o que anula o efeito das medidas de rastreio, como medição de temperatura nos aeroportos ou estações de comboio. O ministro alertou ainda que a disseminação do vírus, que já matou 56 pessoas na China e infetou mais de dois mil, deve acelerar nas próximas semanas. As autoridades chinesas proibiram já as entradas e saídas de Wuhan e de várias cidades vizinhas, por período indeterminado, numa quarentena de facto que afeta mais de 40 milhões de pessoas. O Governo português indicou à agência Lusa que foram identificados 20 portugueses que são residentes em Wuhan ou que se encontram em visita e está a estudar a possibilidade de os retirar daquela cidade, "se isso for viável à luz das regras de saúde pública".