Costa considera “absurdo” dualismo entre fundos para empresas ou Estado

O primeiro-ministro considerou hoje "absurdas" a críticas dos partidos à direita do PS de que o Governo vai privilegiar o Estado na aplicação dos fundos europeus, contrapondo que as empresas precisam de uma administração pública eficiente. Não se caia nesse debate absurdo sobre se este Plano de Recuperação e Resiliência deve investir no Estado ou nas empresas. Este plano tem de investir nas pessoas e nas empresas. E para servir melhor as pessoas e as empresas precisamos de um Estado mais robusto e eficiente", sustentou António Costa na abertura das "jornadas de trabalho" do Grupo Parlamentar do PS, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa. Na segunda-feira, na sequência das reuniões com os partidos com representação parlamentar em São Bento, a Iniciativa Liberal e o CDS criticaram abertamente a fatia de investimentos que o Governo tenciona fazer na administração pública. E também o presidente do PSD, Rui Rio, admitiu que o Governo vai investir nas empresas "provavelmente menos" do que se desejaria. "Dá-me ideia que não há um objetivo claro de privilegiar o apoio às empresas privadas viradas para a exportação, mas não digo que está esquecido", declarou o presidente do PSD. Na sua intervenção, com cerca de 45 minutos e totalmente dedicada ao Plano de Recuperação e Resiliência, o secretário-geral do PS classificou como essenciais os investimentos na modernização da saúde, da justiça e da segurança social, e recusou o dualismo entre Estado e setor privado. "Este investimento gera externalidades positivas para o conjunto da sociedade, seja para os cidadãos ou para as empresas. Não estamos perante um investimento autofágico na alimentação da administração pública", disse. Neste ponto, António Costa acentuou que se o país "quer uma administração pública do século XXI, se quer uma administração pública mais qualificada e com recursos humanos mais motivados, tem de ter uma administração pública digital". "Uma administração pública que não é digital é uma administração pública que não é do século XXI. E se houve algo que ficou claro nesta crise é que a presença do Estado é absolutamente indispensável nas respostas nos momentos críticos à sociedade. O desenvolvimento das políticas públicas são um fator essencial para o desenvolvimento económico e social e são ferramentas indispensáveis para as empresas", argumentou. António Costa defendeu mesmo que "basta falar com empresários para saber que eles dizem que mais do que subsídios do que precisam é de um sistema de justiça mais eficaz e de uma administração pública que seja eficiente". "E mais do que subsídios do que precisam é que se diminuam os custos de contexto para facilitar o investimento", acrescentou o primeiro-ministro.

Costa considera “absurdo” dualismo entre fundos para empresas ou Estado
O primeiro-ministro considerou hoje "absurdas" a críticas dos partidos à direita do PS de que o Governo vai privilegiar o Estado na aplicação dos fundos europeus, contrapondo que as empresas precisam de uma administração pública eficiente. Não se caia nesse debate absurdo sobre se este Plano de Recuperação e Resiliência deve investir no Estado ou nas empresas. Este plano tem de investir nas pessoas e nas empresas. E para servir melhor as pessoas e as empresas precisamos de um Estado mais robusto e eficiente", sustentou António Costa na abertura das "jornadas de trabalho" do Grupo Parlamentar do PS, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa. Na segunda-feira, na sequência das reuniões com os partidos com representação parlamentar em São Bento, a Iniciativa Liberal e o CDS criticaram abertamente a fatia de investimentos que o Governo tenciona fazer na administração pública. E também o presidente do PSD, Rui Rio, admitiu que o Governo vai investir nas empresas "provavelmente menos" do que se desejaria. "Dá-me ideia que não há um objetivo claro de privilegiar o apoio às empresas privadas viradas para a exportação, mas não digo que está esquecido", declarou o presidente do PSD. Na sua intervenção, com cerca de 45 minutos e totalmente dedicada ao Plano de Recuperação e Resiliência, o secretário-geral do PS classificou como essenciais os investimentos na modernização da saúde, da justiça e da segurança social, e recusou o dualismo entre Estado e setor privado. "Este investimento gera externalidades positivas para o conjunto da sociedade, seja para os cidadãos ou para as empresas. Não estamos perante um investimento autofágico na alimentação da administração pública", disse. Neste ponto, António Costa acentuou que se o país "quer uma administração pública do século XXI, se quer uma administração pública mais qualificada e com recursos humanos mais motivados, tem de ter uma administração pública digital". "Uma administração pública que não é digital é uma administração pública que não é do século XXI. E se houve algo que ficou claro nesta crise é que a presença do Estado é absolutamente indispensável nas respostas nos momentos críticos à sociedade. O desenvolvimento das políticas públicas são um fator essencial para o desenvolvimento económico e social e são ferramentas indispensáveis para as empresas", argumentou. António Costa defendeu mesmo que "basta falar com empresários para saber que eles dizem que mais do que subsídios do que precisam é de um sistema de justiça mais eficaz e de uma administração pública que seja eficiente". "E mais do que subsídios do que precisam é que se diminuam os custos de contexto para facilitar o investimento", acrescentou o primeiro-ministro.