Covid-19: Alemanha não vai afrouxar restrições no país antes de 20 de abril

O chefe de gabinete da chanceler alemã, Angela Merkel, declarou hoje que o Governo da Alemanha não afrouxará as restrições impostas no país devido à pandemia da covid-19 antes de 20 de abril. As autoridades alemãs fecharam o comércio não essencial e proibiram reuniões com mais de duas pessoas em público no início da semana. Escolas, bares, restaurantes e clubes também estão encerrados. “Não falaremos sobre flexibilização antes de 20 de abril. Até então, todas as medidas permanecerão em vigor”, declarou o chefe de gabinete de Merkel, Helge Braun, ao jornal alemão Tagesspiegel. Braun disse que “os idosos e as pessoas doentes terão de reduzir os seus contactos por um tempo significativamente maior”. A Alemanha registou mais de 50.000 casos do novo coronavírus, segundo uma avaliação da Universidade John Hopkins, com 351 mortes - uma taxa de mortalidade menor do que em muitos outros países. O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 572 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 26.500. Dos casos de infeção, pelo menos 124.400 são considerados curados. Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia. O continente europeu, com mais de 318 mil infetados e mais de 18 mil mortos, é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos.

Covid-19: Alemanha não vai afrouxar restrições no país antes de 20 de abril
O chefe de gabinete da chanceler alemã, Angela Merkel, declarou hoje que o Governo da Alemanha não afrouxará as restrições impostas no país devido à pandemia da covid-19 antes de 20 de abril. As autoridades alemãs fecharam o comércio não essencial e proibiram reuniões com mais de duas pessoas em público no início da semana. Escolas, bares, restaurantes e clubes também estão encerrados. “Não falaremos sobre flexibilização antes de 20 de abril. Até então, todas as medidas permanecerão em vigor”, declarou o chefe de gabinete de Merkel, Helge Braun, ao jornal alemão Tagesspiegel. Braun disse que “os idosos e as pessoas doentes terão de reduzir os seus contactos por um tempo significativamente maior”. A Alemanha registou mais de 50.000 casos do novo coronavírus, segundo uma avaliação da Universidade John Hopkins, com 351 mortes - uma taxa de mortalidade menor do que em muitos outros países. O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 572 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 26.500. Dos casos de infeção, pelo menos 124.400 são considerados curados. Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia. O continente europeu, com mais de 318 mil infetados e mais de 18 mil mortos, é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos.