Covid-19: Escolas do ensino secundário não abrem antes de 4 de maio

António Costa garantiu hoje que no próximo ano letivo será assegurada a “universalidade do acesso digital” e revelou que a reabertura das escolas do ensino secundário nunca irá ocorrer antes do próximo dia 4 de maio. "Soubemos que há um conjunto de alunos que não têm acesso às plataformas digitais e por isso era preciso complementar a oferta (digital) com uma nova oferta que chegasse a todos e foi por isso que criámos este programa do #EstudoemCasa através da RTP Memória. Não para relembrar a velha telescola mas para criar uma escola do tempo de hoje mais acessível a todos”, afiançou o governante. “Há um compromisso que como sabem já assumimos: No início do próximo ano letivo será assegurada a universalidade do acesso digital, quer de rede, de equipamentos ou de conteúdos", acrescentou, lembrando, contudo, que esta ferramenta criada pelo Governo "não substituiu obviamente o trabalho que os professores vão continuar a fazer" através de outros recursos educativos.  Instado a pronunciar-se sobre o regresso às aulas presenciais dos alunos do ensino secundário, António Costa disse que a ambição é retomar estas aulas "assim que possível” mas nunca antes de 4 de maio, referindo também que a Saúde deve ter prioridade sobre qualquer interesse económico, reiterando que ainda não é o momento para aliviar as restrições. "Só podemos retomar a atividade quando tivermos a certeza, o conforto necessário e a confiança suficiente na sociedade de que reabrindo não aumentamos risco de contaminação para além daquilo que é controlável e sabemos que ainda não chegou esse momento. Este ainda é o momento de fazermos um esforço acrescido de manter a contenção", concluiu. 

Covid-19: Escolas do ensino secundário não abrem antes de 4 de maio
António Costa garantiu hoje que no próximo ano letivo será assegurada a “universalidade do acesso digital” e revelou que a reabertura das escolas do ensino secundário nunca irá ocorrer antes do próximo dia 4 de maio. "Soubemos que há um conjunto de alunos que não têm acesso às plataformas digitais e por isso era preciso complementar a oferta (digital) com uma nova oferta que chegasse a todos e foi por isso que criámos este programa do #EstudoemCasa através da RTP Memória. Não para relembrar a velha telescola mas para criar uma escola do tempo de hoje mais acessível a todos”, afiançou o governante. “Há um compromisso que como sabem já assumimos: No início do próximo ano letivo será assegurada a universalidade do acesso digital, quer de rede, de equipamentos ou de conteúdos", acrescentou, lembrando, contudo, que esta ferramenta criada pelo Governo "não substituiu obviamente o trabalho que os professores vão continuar a fazer" através de outros recursos educativos.  Instado a pronunciar-se sobre o regresso às aulas presenciais dos alunos do ensino secundário, António Costa disse que a ambição é retomar estas aulas "assim que possível” mas nunca antes de 4 de maio, referindo também que a Saúde deve ter prioridade sobre qualquer interesse económico, reiterando que ainda não é o momento para aliviar as restrições. "Só podemos retomar a atividade quando tivermos a certeza, o conforto necessário e a confiança suficiente na sociedade de que reabrindo não aumentamos risco de contaminação para além daquilo que é controlável e sabemos que ainda não chegou esse momento. Este ainda é o momento de fazermos um esforço acrescido de manter a contenção", concluiu.