Covid-19: EUA pedem informação sobre brasileiro suspeito de coronavírus que esteve com Trump

A embaixada dos Estados Unidos da América (EUA) em Brasília contactou o Governo do Brasil após a divulgação da informação de que o chefe da Secretaria de Comunicação do país estará infetado pelo novo coronavírus. A informação foi divulgada pelo jornal brasileiro O Globo, que acrescentou que o pedido de informações ocorreu porque o chefe de comunicação do Governo brasileiro, Fábio Wajngarten, esteve com o Presidente dos EUA, Donald Trump, no sábado, num jantar oferecido ao Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, na Flórida. A publicação incluiu uma foto em que Wajngarten aparece ao lado de Trump. Em resposta à Lusa, a assessoria de comunicação do Governo brasileiro não confirmou se Wajngarten está infetado pelo Covid-19 e disse apenas que “o Planalto não está comentando nada relacionado a este assunto no momento”. Segundo os jornais Folha de S.Paulo e O Globo, o secretário de Comunicação terá feito um teste que deu positivo na quarta-feira, em São Paulo. A Folha de S.Paulo acrescentou que Sophie Wajngarten, mulher do secretário de Comunicação, afirmou hoje num grupo da plataforma WhatsApp das mães da escola onde estudam as suas filhas que seu marido fez um teste que deu positivo. “Meninas, bom dia: conforme e-mail da escola ontem, meu marido voltou de viagem de Miami ontem e fez o exame de Covid-19 que deu positivo”,escreveu Sophie no grupo, segundo o jornal brasileiro. A mesma publicação informou que Jair Bolsonaro, ministros e assessores do Governo brasileiro que viajaram para Miami já estão a ser monitorizados. No Brasil, foram registados oficialmente 52 casos de Covid-19, segundo um balanço divulgado pelo Ministério da Saúde do país na quarta-feira à tarde, mas a imprensa local aponta para pelo menos 69 casos, contabilizando informações atualizadas durante a noite. O novo coronavírus responsável pela Covid-19 foi detetado em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.600 mortos em todo o mundo, levando a Organização Mundial de Saúde a declarar a doença como pandemia. O número de infetados ultrapassou as 125 mil pessoas, com casos registados em cerca de 120 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 78 casos confirmados. A China registou nas últimas 24 horas 15 novos casos de infeção pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2), o número mais baixo desde que iniciou a contagem diária, em janeiro. Até à meia-noite de quarta-feira (16:00 horas em Lisboa), o número de mortos na China continental, que exclui Macau e Hong Kong, subiu em 11, para 3.169. No total, o país soma 80.793 infetados. Face ao avanço da pandemia, vários países têm adotado medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena inicialmente decretado pela China na zona do surto. A Itália é o caso mais grave depois da China, com mais de 12.000 infetados e pelo menos 827 mortos, o que levou o Governo a decretar a quarentena em todo o país.

Covid-19: EUA pedem informação sobre brasileiro suspeito de coronavírus que esteve com Trump
A embaixada dos Estados Unidos da América (EUA) em Brasília contactou o Governo do Brasil após a divulgação da informação de que o chefe da Secretaria de Comunicação do país estará infetado pelo novo coronavírus. A informação foi divulgada pelo jornal brasileiro O Globo, que acrescentou que o pedido de informações ocorreu porque o chefe de comunicação do Governo brasileiro, Fábio Wajngarten, esteve com o Presidente dos EUA, Donald Trump, no sábado, num jantar oferecido ao Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, na Flórida. A publicação incluiu uma foto em que Wajngarten aparece ao lado de Trump. Em resposta à Lusa, a assessoria de comunicação do Governo brasileiro não confirmou se Wajngarten está infetado pelo Covid-19 e disse apenas que “o Planalto não está comentando nada relacionado a este assunto no momento”. Segundo os jornais Folha de S.Paulo e O Globo, o secretário de Comunicação terá feito um teste que deu positivo na quarta-feira, em São Paulo. A Folha de S.Paulo acrescentou que Sophie Wajngarten, mulher do secretário de Comunicação, afirmou hoje num grupo da plataforma WhatsApp das mães da escola onde estudam as suas filhas que seu marido fez um teste que deu positivo. “Meninas, bom dia: conforme e-mail da escola ontem, meu marido voltou de viagem de Miami ontem e fez o exame de Covid-19 que deu positivo”,escreveu Sophie no grupo, segundo o jornal brasileiro. A mesma publicação informou que Jair Bolsonaro, ministros e assessores do Governo brasileiro que viajaram para Miami já estão a ser monitorizados. No Brasil, foram registados oficialmente 52 casos de Covid-19, segundo um balanço divulgado pelo Ministério da Saúde do país na quarta-feira à tarde, mas a imprensa local aponta para pelo menos 69 casos, contabilizando informações atualizadas durante a noite. O novo coronavírus responsável pela Covid-19 foi detetado em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.600 mortos em todo o mundo, levando a Organização Mundial de Saúde a declarar a doença como pandemia. O número de infetados ultrapassou as 125 mil pessoas, com casos registados em cerca de 120 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 78 casos confirmados. A China registou nas últimas 24 horas 15 novos casos de infeção pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2), o número mais baixo desde que iniciou a contagem diária, em janeiro. Até à meia-noite de quarta-feira (16:00 horas em Lisboa), o número de mortos na China continental, que exclui Macau e Hong Kong, subiu em 11, para 3.169. No total, o país soma 80.793 infetados. Face ao avanço da pandemia, vários países têm adotado medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena inicialmente decretado pela China na zona do surto. A Itália é o caso mais grave depois da China, com mais de 12.000 infetados e pelo menos 827 mortos, o que levou o Governo a decretar a quarentena em todo o país.