Covid-19: Portugal vai regressar ao trabalho mas com regras exigentes

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, afirmou hoje, em Famalicão, que Portugal vai regressar ao trabalho, mas sublinhou que as regras de regras de higiene, saúde e segurança terão de ser "mais exigentes". "Distanciamento social, mais equipamentos de proteção individual e um cuidado muito grande na forma como se circula dentro das fábricas é o que vai passar a ser um pouco o nosso novo normal nos próximos tempos", referiu. De visita à fábrica de pneus Continental Mabor, acompanhado do primeiro-ministro, Siza Vieira disse que, apesar de a pandemia de covid-19 "estar longe de estar controlada", Portugal "vai precisar de regressar ao trabalho e retomar a vida económica e social". "Viemos ver como uma grande exportadora retoma a laboração, mas também perceber como se estão a adaptar a um novo conceito de trabalho e a regras de higiene, saúde e segurança no trabalho que têm de ser mais exigentes", referiu. Com cerca de 2.300 trabalhadores, a Continental Mabor esteve parada 15 dias, tendo, entretanto, retomado a laboração, mas de forma parcial. Metade dos trabalhadores cumprem duas semanas de trabalho e a outra metade fica em casa, em 'lay-off'. "Vamos entrar na fase de transição para a normalidade", disse ainda o ministro da Economia, sublinhando que o Governo está a apoiar as empresas nesta fase, tanto em termos de 'lay-off' simplificado, como no acesso ao crédito. Siza Vieira disse que os apoios estão a chegar muito rapidamente às empresas. "Eu julgo que todos os empresários reconhecerão que nunca se teve processos tão simplificados, alargados e automáticos de apoios", referiu.

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, afirmou hoje, em Famalicão, que Portugal vai regressar ao trabalho, mas sublinhou que as regras de regras de higiene, saúde e segurança terão de ser "mais exigentes". "Distanciamento social, mais equipamentos de proteção individual e um cuidado muito grande na forma como se circula dentro das fábricas é o que vai passar a ser um pouco o nosso novo normal nos próximos tempos", referiu. De visita à fábrica de pneus Continental Mabor, acompanhado do primeiro-ministro, Siza Vieira disse que, apesar de a pandemia de covid-19 "estar longe de estar controlada", Portugal "vai precisar de regressar ao trabalho e retomar a vida económica e social". "Viemos ver como uma grande exportadora retoma a laboração, mas também perceber como se estão a adaptar a um novo conceito de trabalho e a regras de higiene, saúde e segurança no trabalho que têm de ser mais exigentes", referiu. Com cerca de 2.300 trabalhadores, a Continental Mabor esteve parada 15 dias, tendo, entretanto, retomado a laboração, mas de forma parcial. Metade dos trabalhadores cumprem duas semanas de trabalho e a outra metade fica em casa, em 'lay-off'. "Vamos entrar na fase de transição para a normalidade", disse ainda o ministro da Economia, sublinhando que o Governo está a apoiar as empresas nesta fase, tanto em termos de 'lay-off' simplificado, como no acesso ao crédito. Siza Vieira disse que os apoios estão a chegar muito rapidamente às empresas. "Eu julgo que todos os empresários reconhecerão que nunca se teve processos tão simplificados, alargados e automáticos de apoios", referiu.