Covid-19: Reino Unido regista mais 648 mortes e aproxima-se das 60 mil

O Reino Unido registou 648 mortes atribuídas a covid-19 e 16.170 contágios pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, um aumento relativamente à véspera, segundo o Ministério da Saúde britânico. Na terça-feira tinham sido notificadas 603 mortes e 13.430 novos casos, mas a média diária dos últimos sete dias tem vindo a decrescer, sendo atualmente de 453 mortes e 14.790 infeções.  Desde o início da pandemia covid-19, o Reino Unido contabilizou oficialmente 59.699 mortes de covid-19 e 1.659.256 casos. Hoje, o governo britânico confirmou que vai começar a vacinar a população contra a covid-19 na próxima semana, após a aprovação pela Agência Reguladora de Saúde e Produtos Médicos (MHRA na sigla inglesa) da vacina Pfizer/BioNTech.  O Reino Unido vai receber 800 mil doses na próxima semana, sendo a imunização feita em duas doses por pessoa, com três semanas de diferença.  "Esta é uma ocasião importante e dá uma nova esperança de que possamos vencer esta pandemia, com o Reino Unido na vanguarda deste avanço revolucionário”, afirmou o ministro da Saúde, Matt Hancock. Porém, o primeiro-ministro, Boris Johnson, teve de moderar as expectativas em termos de velocidade devido aos “desafios logísticos” de transportar a vacina, que tem de ser mantida a menos de 70 graus negativos.  "Penso que, nesta fase, é muito, muito importante que as pessoas não tenham esperanças muito altas sobre a velocidade com que seremos capazes de implementar esta vacina”, avisou, durante o debate semanal no parlamento. A Comissão Conjunta de Vacinação e Imunização do Reino Unido estabeleceu uma ordem de prioridades com que a população de 66 milhões de habitantes deve receber a vacina, colocando no topo residentes e funcionários de lares de idosos, seguidos por idosos com mais de 80 anos e profissionais de saúde.  A lista continua depois em contagem decrescente em termos de grupos etários e pessoas vulneráveis em termos de risco ou problemas de saúde.  O Reino Unido garantiu 357 milhões de doses de diferentes projetos de vacina contra a covid-19 ainda durante a fase de desenvolvimento, incluindo 40 milhões da Pfizer/BioNTech, mas a maioria ainda não foi aprovada nem entrou na fase de produção.  A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.482.240 mortos resultantes de mais de 63,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. Em Portugal, morreram 4.645 pessoas dos 303.846 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Covid-19: Reino Unido regista mais 648 mortes e aproxima-se das 60 mil
O Reino Unido registou 648 mortes atribuídas a covid-19 e 16.170 contágios pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, um aumento relativamente à véspera, segundo o Ministério da Saúde britânico. Na terça-feira tinham sido notificadas 603 mortes e 13.430 novos casos, mas a média diária dos últimos sete dias tem vindo a decrescer, sendo atualmente de 453 mortes e 14.790 infeções.  Desde o início da pandemia covid-19, o Reino Unido contabilizou oficialmente 59.699 mortes de covid-19 e 1.659.256 casos. Hoje, o governo britânico confirmou que vai começar a vacinar a população contra a covid-19 na próxima semana, após a aprovação pela Agência Reguladora de Saúde e Produtos Médicos (MHRA na sigla inglesa) da vacina Pfizer/BioNTech.  O Reino Unido vai receber 800 mil doses na próxima semana, sendo a imunização feita em duas doses por pessoa, com três semanas de diferença.  "Esta é uma ocasião importante e dá uma nova esperança de que possamos vencer esta pandemia, com o Reino Unido na vanguarda deste avanço revolucionário”, afirmou o ministro da Saúde, Matt Hancock. Porém, o primeiro-ministro, Boris Johnson, teve de moderar as expectativas em termos de velocidade devido aos “desafios logísticos” de transportar a vacina, que tem de ser mantida a menos de 70 graus negativos.  "Penso que, nesta fase, é muito, muito importante que as pessoas não tenham esperanças muito altas sobre a velocidade com que seremos capazes de implementar esta vacina”, avisou, durante o debate semanal no parlamento. A Comissão Conjunta de Vacinação e Imunização do Reino Unido estabeleceu uma ordem de prioridades com que a população de 66 milhões de habitantes deve receber a vacina, colocando no topo residentes e funcionários de lares de idosos, seguidos por idosos com mais de 80 anos e profissionais de saúde.  A lista continua depois em contagem decrescente em termos de grupos etários e pessoas vulneráveis em termos de risco ou problemas de saúde.  O Reino Unido garantiu 357 milhões de doses de diferentes projetos de vacina contra a covid-19 ainda durante a fase de desenvolvimento, incluindo 40 milhões da Pfizer/BioNTech, mas a maioria ainda não foi aprovada nem entrou na fase de produção.  A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.482.240 mortos resultantes de mais de 63,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. Em Portugal, morreram 4.645 pessoas dos 303.846 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.