Covid-19: Rússia anuncia recorde de 11.231 contágios num só dia

A Rússia anunciou hoje o maior número de infeções num só dia, registando 11.231 contágios nas últimas 24 horas e 88 mortos, elevando para 1.625 o número total de vítimas mortais pela doença no país. A Rússia regista um total de 177.160 infetados, ultrapassando o número de contágios recenseados em França e tornando-se o quarto país europeu com mais contaminações pela covid-19 e o quinto a nível mundial, de acordo com a última contagem efetuada pela agência France-Presse.  O aumento do número de infetados desde a semana passada pode ser explicado, segundo as autoridades russas, pela multiplicação de testes de triagem - 4,8 milhões de acordo com a contagem -, o que possibilita detetar também casos assintomáticos. Em relação ao número de contaminações diárias, a Rússia encontra-se logo após os Estados Unidos, que registam entre 20 e 25 mil casos diários, e à frente do Brasil, que contabilizou 10.503 casos nas últimas 24 horas. Especialistas consultados pela AFP admitem, no entanto, que o número de mortos por covid-19 na Rússia, 1.625 no total, pode ser superior ao que está a ser divulgado pelas autoridades de Moscovo. A Rússia apresenta como explicação para "a baixa mortalidade" no país, as políticas de triagem, além de outras ​​​​"medidas postas em prática no início da crise, como o encerramento de fronteiras e o confinamento de populações consideradas de maior risco". A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 260 mil mortos e infetou cerca de 3,7 milhões de pessoas em 195 países e territórios.  Mais de um 1,1 milhões de doentes foram considerados curados. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China. Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

A Rússia anunciou hoje o maior número de infeções num só dia, registando 11.231 contágios nas últimas 24 horas e 88 mortos, elevando para 1.625 o número total de vítimas mortais pela doença no país. A Rússia regista um total de 177.160 infetados, ultrapassando o número de contágios recenseados em França e tornando-se o quarto país europeu com mais contaminações pela covid-19 e o quinto a nível mundial, de acordo com a última contagem efetuada pela agência France-Presse.  O aumento do número de infetados desde a semana passada pode ser explicado, segundo as autoridades russas, pela multiplicação de testes de triagem - 4,8 milhões de acordo com a contagem -, o que possibilita detetar também casos assintomáticos. Em relação ao número de contaminações diárias, a Rússia encontra-se logo após os Estados Unidos, que registam entre 20 e 25 mil casos diários, e à frente do Brasil, que contabilizou 10.503 casos nas últimas 24 horas. Especialistas consultados pela AFP admitem, no entanto, que o número de mortos por covid-19 na Rússia, 1.625 no total, pode ser superior ao que está a ser divulgado pelas autoridades de Moscovo. A Rússia apresenta como explicação para "a baixa mortalidade" no país, as políticas de triagem, além de outras ​​​​"medidas postas em prática no início da crise, como o encerramento de fronteiras e o confinamento de populações consideradas de maior risco". A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 260 mil mortos e infetou cerca de 3,7 milhões de pessoas em 195 países e territórios.  Mais de um 1,1 milhões de doentes foram considerados curados. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China. Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.