CSD Câmara de Lobos repudia e lamenta "todo e qualquer ato de violência"

O Centro Social e Desportivo de Câmara de Lobos pronunciou-se, através de comunicado assinado pelo presidente da Direção, Higino Teles, acerca dos momentos de tensão no final do jogo que ditou a sua despromoção ao regional de futebol. "Relativamente aos factos ocorridos no passado dia 8 de maio no Estádio de Câmara de Lobos, após ter terminado o jogo entre este clube e o Atlético Clube de Vila Meã, vem o Centro Social e Desportivo de Câmara de Lobos lamentar o ocorrido, repudiar todo e qualquer ato de violência, com os quais não pactua e naturalmente serão avaliados e devidamente tratados em função dos regulamentos", refere a nota enviada à redação.  Higino Teles sublinha que apesar do facto de "terem acontecido atitudes provocatórias da parte de elementos da equipa adversária, inclusive desde o jogo de Vila Meã, a 10 de abril passado, onde o seu treinador decidiu adotar uma lamentável conduta antidesportiva, nada justifica o recurso à violência, que o Câmara de Lobos condena, repudia, lamenta e pelo que pede desculpa a todos os que, sem culpa nenhuma, tiveram que assistir ao ocorrido."

CSD Câmara de Lobos repudia e lamenta "todo e qualquer ato de violência"
O Centro Social e Desportivo de Câmara de Lobos pronunciou-se, através de comunicado assinado pelo presidente da Direção, Higino Teles, acerca dos momentos de tensão no final do jogo que ditou a sua despromoção ao regional de futebol. "Relativamente aos factos ocorridos no passado dia 8 de maio no Estádio de Câmara de Lobos, após ter terminado o jogo entre este clube e o Atlético Clube de Vila Meã, vem o Centro Social e Desportivo de Câmara de Lobos lamentar o ocorrido, repudiar todo e qualquer ato de violência, com os quais não pactua e naturalmente serão avaliados e devidamente tratados em função dos regulamentos", refere a nota enviada à redação.  Higino Teles sublinha que apesar do facto de "terem acontecido atitudes provocatórias da parte de elementos da equipa adversária, inclusive desde o jogo de Vila Meã, a 10 de abril passado, onde o seu treinador decidiu adotar uma lamentável conduta antidesportiva, nada justifica o recurso à violência, que o Câmara de Lobos condena, repudia, lamenta e pelo que pede desculpa a todos os que, sem culpa nenhuma, tiveram que assistir ao ocorrido."