Curso proposto pela ACIN à UMa regista cada vez mais procura

Os projetos da ACIN, muitos deles líderes de mercado, são realizados por pessoas que passaram pela Universidade da Madeira.  Dos 350 colaboradores que a empresa dispõe, a maioria passou pela Universidade da Madeira, daí que o grupo ACIN tenha...

Curso proposto pela ACIN à UMa regista cada vez mais procura
Os projetos da ACIN, muitos deles líderes de mercado, são realizados por pessoas que passaram pela Universidade da Madeira.  Dos 350 colaboradores que a empresa dispõe, a maioria passou pela Universidade da Madeira, daí que o grupo ACIN tenha decidido, em jeito de agradecimento, fazer uma parceria equipando uma sala daquele estabelecimento de ensino com 16 computadores.  Hoje, o espaço foi inaugurado oficialmente, tendo o CEO da ACiN, Luís Sousa, referido que este é um gesto de agradecimento. "Quase ou até mesmo 100 por cento dos engenheiros da nossa empresa, passaram por cá. E têm uma grande qualidade. Se dúvidas existissem é só consultar os nossos clientes. São cerca de 125 mil. A qualidade do trabalho vem dos colaboradores dos nossos quadros", afirmou Luís Sousa em declarações à comunicação social. O CEO da ACIN aproveitou a ocasião para criticar o facto de as escolas - à exceção da UMa e da Apel- seguirem um programa tecnológico que está atrasado 15 anos. "Não podemos gastar dinheiro em professores com um programa que está atrasado. Os alunos percebem isso e desmotivam. Não vão às aulas. Têm que haver um esforço muito grande para que as escolas adaptem os seus currículos e não estejam de costas voltadas para as empresas", sublinhou. Já João Prudente, Pró-reitor da UMa e presidente da Escola Superior de Tecnologias, referiu à comunicação social, que o curso surgiu depois da procura feita pela ACIN. "A ACIN pediu-nos para criarmos este curso. Ainda numa fase de construção, houve outras empresas que aderiram. Já temos cinco empresas envolvidas. Quando curso arrancou, havia 24 alunos, sendo que este ano, são 36. Os alunos têm garantido o estágio nas empresas que aderiram. Deste modo, são 40, os estágios que, neste momento, são assegurados.