D. Nuno Brás diz que nunca sentiu qualquer pressão do poder político

D. Nuno Brás diz que nunca sentiu qualquer pressão do poder político em relação a decisões que o bispo tenha que tomar. O contrário acontece. Admite inclusive que há uma cordialidade e aproximação.  Passado ano e meio na Madeira, D. Nuno Brás diz que aquilo que melhor viveu até agora foi a vez que foi a Ponta Delgada celebrar, onde uma senhora velhota, já muito curvada, o abraçou.  Sobre os maus momentos, recorda o falecimento de D. Maurílio. "Fazer o funeral como bispo do Funchal. Como bispo auxiliar de Lisboa, éramos amigos. Foi claramente um momento difícil", referiu na entrevista que decorre no piso 0 do centro comercial La Vie.  A suspensão das eucaristias por causa da pandemia, foi também um momento muito difícil.

D. Nuno Brás diz que nunca sentiu qualquer pressão do poder político
D. Nuno Brás diz que nunca sentiu qualquer pressão do poder político em relação a decisões que o bispo tenha que tomar. O contrário acontece. Admite inclusive que há uma cordialidade e aproximação.  Passado ano e meio na Madeira, D. Nuno Brás diz que aquilo que melhor viveu até agora foi a vez que foi a Ponta Delgada celebrar, onde uma senhora velhota, já muito curvada, o abraçou.  Sobre os maus momentos, recorda o falecimento de D. Maurílio. "Fazer o funeral como bispo do Funchal. Como bispo auxiliar de Lisboa, éramos amigos. Foi claramente um momento difícil", referiu na entrevista que decorre no piso 0 do centro comercial La Vie.  A suspensão das eucaristias por causa da pandemia, foi também um momento muito difícil.