DAE pode “fazer a diferença entre salvar ou não a sua vida, a de vida de um familiar, de um amigo...de uma pessoa”

Como já foi noticiado no JM online, na passada madrugada uma das caixas do Desfibrilhador Automático Externo (DAE) foi roubada e a sua estrutura de apoio vandalizada em pleno centro do Caniço. A população ficou revoltada com a situação e as autoridades já procuram o responsável pelo roubo.  A Madeira Emergência (AMM), Associação que liderou o processo do programa público implementado de DAE em vários municípios da RAM, relembra que "a probabilidade de sobrevivência e recuperação" de uma Paragem Cardiorrespiratória (PCR) é de "50% a 70%" se existir um acesso a um desfibrilhador automático externo (DAE) deste género e nestes locais. As autoridades já se encontram a trabalhar "na recuperação deste equipamento que é de todos nós", revela a Madeira Emergência. A desfibrilhação automática externa entre a “população em geral é uma realidade relativamente recente no nosso país, daí a necessidade de esclarecermos e sensibilizarmos toda a comunidade para a sua importância”, acrescenta AMM em nota publicada na sua página oficial. A probabilidade "de sobrevivência e recuperação, nestas situações depende da capacidade de quem presencia o acontecimento de saber como pedir ajuda e iniciar de imediato Suporte Básico de Vida (SBV) e um acesso precoce a um desfibrilhador automático externo (DAE)”. Por isso, é de capital “importância” estes equipamentos e de os “manter íntegros”. Estes equipamentos "são de todos nós" e para todos, revela a Associação, fazendo um apelo a todos. Podem “fazer a diferença entre salvar ou não a sua vida, a de vida de um familiar, de um amigo...de uma pessoa” Por essa mesma "razão temos todos o dever cívico de os preservar como se fossem nossos! A qualquer momento poderá ser necessário a sua utilização, mas para isso terá que lá estar e em perfeitas condições!"

DAE pode “fazer a diferença entre salvar ou não a sua vida, a de vida de um familiar, de um amigo...de uma pessoa”
Como já foi noticiado no JM online, na passada madrugada uma das caixas do Desfibrilhador Automático Externo (DAE) foi roubada e a sua estrutura de apoio vandalizada em pleno centro do Caniço. A população ficou revoltada com a situação e as autoridades já procuram o responsável pelo roubo.  A Madeira Emergência (AMM), Associação que liderou o processo do programa público implementado de DAE em vários municípios da RAM, relembra que "a probabilidade de sobrevivência e recuperação" de uma Paragem Cardiorrespiratória (PCR) é de "50% a 70%" se existir um acesso a um desfibrilhador automático externo (DAE) deste género e nestes locais. As autoridades já se encontram a trabalhar "na recuperação deste equipamento que é de todos nós", revela a Madeira Emergência. A desfibrilhação automática externa entre a “população em geral é uma realidade relativamente recente no nosso país, daí a necessidade de esclarecermos e sensibilizarmos toda a comunidade para a sua importância”, acrescenta AMM em nota publicada na sua página oficial. A probabilidade "de sobrevivência e recuperação, nestas situações depende da capacidade de quem presencia o acontecimento de saber como pedir ajuda e iniciar de imediato Suporte Básico de Vida (SBV) e um acesso precoce a um desfibrilhador automático externo (DAE)”. Por isso, é de capital “importância” estes equipamentos e de os “manter íntegros”. Estes equipamentos "são de todos nós" e para todos, revela a Associação, fazendo um apelo a todos. Podem “fazer a diferença entre salvar ou não a sua vida, a de vida de um familiar, de um amigo...de uma pessoa” Por essa mesma "razão temos todos o dever cívico de os preservar como se fossem nossos! A qualquer momento poderá ser necessário a sua utilização, mas para isso terá que lá estar e em perfeitas condições!"