Deputados do PSD/M destacam crescimento económico e competitividade da Madeira

Os deputados do PSD/M na Assembleia da República reuniram-se hoje com os responsáveis da Ordem dos Economistas, tendo o deputado Paulo Neves ressalvado os pontos coincidentes no que diz respeito a várias matérias relevantes para o desenvolvimento...

Deputados do PSD/M destacam crescimento económico e competitividade da Madeira
Os deputados do PSD/M na Assembleia da República reuniram-se hoje com os responsáveis da Ordem dos Economistas, tendo o deputado Paulo Neves ressalvado os pontos coincidentes no que diz respeito a várias matérias relevantes para o desenvolvimento da Região. "Desde logo, estivemos a falar sobre crescimento económico, o que, naturalmente, é um desejo da Ordem dos Economistas, e, de facto, nós temos conseguido esse crescimento económico, há muitos meses, há mais de 70 meses sucessivos, na Madeira", afirmou. O deputado abordou também a questão do emprego, sublinhando que estamos numa situação de "quase pleno emprego", na Região, assim como a competitividade fiscal. "Se há uma região que é, em termos fiscais, competitiva, é a Madeira", disse, salientando que é mesmo "das melhores da Europa". Outro tema abordado neste encontro foi o da mobilidade. O deputado defendeu a necessidade de serem encontradas "boas soluções", seja para a mobilidade aérea, seja para a marítima, que assegurem a continuidade territorial. "Este é um grande tema, que nós levamos à Assembleia da República constantemente", acrescentou, adiantando que esta é também uma das preocupações da Ordem dos Economistas. A questão dos fundos comunitários e a importância da utilização dos mesmos em matérias que vão ao encontro das necessidades das pessoas foi também abordada, além do Turismo e, dentro desta temática, o 'Brexit'. "Estamos confiantes, após estas eleições da semana passada, no Reino Unido, de que há uma clarificação, portanto, agora é fazer o 'Brexit' e rapidamente", referiu, lembrando que é este o desejo do Primeiro-ministro britânico e, ao que parece, também da população. Nesse sentido, considera ser necessário fazer um novo acordo entre a União Europeia e o Reino Unido para encerrar este dossiê e seguir em frente.