Detidas 15 pessoas em Paris em mais uma manifestação dos “coletes amarelos”

As forças de segurança detiveram hoje 15 pessoas que participavam, em Paris, em mais uma das habituais manifestações dos “coletes amarelos”, realizadas aos sábados, anunciou a Prefeitura da Polícia na sua conta da rede social Twitter. Segundo...

Detidas 15 pessoas em Paris em mais uma manifestação dos “coletes amarelos”
As forças de segurança detiveram hoje 15 pessoas que participavam, em Paris, em mais uma das habituais manifestações dos “coletes amarelos”, realizadas aos sábados, anunciou a Prefeitura da Polícia na sua conta da rede social Twitter. Segundo a agência de notícias espanhola EFE, as detenções ocorreram às 13:15 locais (12:15 em Lisboa) na rua Chateaudun, no IX bairro da cidade, quando um grupo de homens encapuzados assumiu a liderança da manifestação, o que levou à suspeita por parte das autoridades de que alguns destes elementos poderiam estar a preparar ações violentas. A Prefeitura da Polícia explica que houve uma intervenção dos agentes policiais para dispersar estes participantes e impedir o que é conhecido como “bloco”, um grupo de pessoas violentas. A manifestação, para a qual foi solicitada autorização oficial, saiu de manhã da Porta de Champerret, noroeste de Paris, e atravessou toda a cidade na direção da estação de Lyon, a sudeste, local no qual estava previsto terminar o protesto. Os participantes gritaram as palavras de ordem habituais, entre as quais os pedidos de demissão ao Presidente francês, Emmanuel Mácron, e seu governo, bem como reivindicações. Os "coletes amarelos", que estão em protestos contínuos há mais de quinze meses em todos os sábados, associaram-se repetidamente nas últimas semanas a sindicatos que organizam greves e manifestações, desde 05 de dezembro, contra o projeto governamental de reforma do sistema de pensões. Na noite de sexta-feira para hoje, várias dezenas de manifestantes tentaram invadir um teatro em Paris, onde Macron assistia a uma peça, na companhia da sua mulher. Ambos foram retirados momentaneamente pelos serviços de segurança. Horas antes, também outro grupo de dezenas de pessoas entrou inesperadamente na sede da Confederação Francesa dos Trabalhadores, o primeiro sindicato francês a apoiar o eixo principal do projeto de reforma apresentado por Macron.