Disney vai pagar 3,5 milhões a empregada portuguesa

Uma funcionaria lusa que serviu às mesas, durante dez dias com três costelas fraturas, num navio da ‘Disney Dream’, vai receber uma indemnização milionária pelo ocorrido. O caso remonta para setembro de 2013, em que Maria Ana Martins, de 33...

Disney vai pagar 3,5 milhões a empregada portuguesa
Uma funcionaria lusa que serviu às mesas, durante dez dias com três costelas fraturas, num navio da ‘Disney Dream’, vai receber uma indemnização milionária pelo ocorrido. O caso remonta para setembro de 2013, em que Maria Ana Martins, de 33 anos, estava a trabalhar como empregada de mesa no navio ‘Disney Dream’ que partiu da Florida, com destino ás Caraíbas. Foi numa das escalas, nas Bahamas, que a funcionária sofreu um atropelamento que foi posteriormente desvalorizado, por parte da equipa médica da empresa. Quando regressou ao navio, os médicos não detetaram nenhuma lesão e consideraram que a portuguesa estava em condições que continuar a trabalhar. Apesar das dores fortes, Maria Martins continuou a cumprir o seu serviço por dez dias. No regresso à Florida, decidiu consultar um médico, tendo aí descoberto três costelas partidas. A companhia acabou por envia-la de volta para Portugal, onde esteve em tratamento por cinco meses. Em abril de 2014 tentou voltar ao trabalho, mas as dores obrigaram-na a desistir. Na volta a Portugal, descobriu nova lesão, agora no nervo. Em dezembro de 2015, deu entrada a um processo contra a ‘Disney Dream’. De acordo com uma notícia do JN, que cita o jornal norte-americano ‘Miami Heral’, “o advogado da portuguesa, Julio Ayala, alegou que a companhia de cruzeiros foi negligente e falhou em prestar cuidados médicos adequados à funcionária. Por sua vez, a Disney Cruise Line assegurou que tinha cumprido com os seus deveres de cuidado, ao abrigo da lei marítima”. A 19 de dezembro de 2019, o tribunal decidiu que a ‘Disney Cruise’ iria pagar quatro milhões de dólares (3,59 milhões de euros) à ex-empregada.