Dragão de combate ‘risca’ Juventus da Europa

O FC Porto, em inferioridade numérica mais de uma hora, afastou ontem a Juventus da Liga dos Campeões de futebol, após prolongamento (derrota por 3-2), graças a uma exibição de garra, coragem e a Sérgio Oliveira. Coeso defensivamente, o FC Porto mostrou cedo qual era a estratégia, tentando apostar na velocidade para surpreender a defesa dos italianos e, aos dois minutos, deixou a primeira ameaça, num remate de Uribe ao lado, após um lance de Marega pela direita. Seguiram-se os melhores minutos da Juventus na primeira parte e, no minuto seguinte, Marchesín parou, com uma excelente defesa, um cabeceamento de Morata. O FC Porto pareceu ligeiramente abalado após este lance de perigo, mas, após alguns (poucos) minutos sem conseguir sair da área, voltou a equilibrar-se e a criar perigo, num lance em que Zaidu ganhou a Cuadrado e cruzou para Taremi, que rematou para um corte providencial de Bonucci e depois, na recarga, cabeceou à barra. Sem permitir que a Juventus criasse perigo, mesmo que tivesse mais posse de bola, os ‘dragões’ nunca abdicaram de tentar contra-atacar e acabaram por se adiantar no marcador, aos 19 minutos, por Sérgio Oliveira, na marcação de uma grande penalidade, a punir uma falta de Demiral sobre Taremi. A Juventus entrou decidida a mudar o rumo da eliminatória na segunda parte e, aos 49 minutos, Chiesa empatou a partida, num lance em que, após uma distração da defesa 'azul e branca', Ronaldo tocou para o italiano rematar para golo. Pouco depois, Taremi, que tinha visto minutos antes um amarelo por uma entrada fora de tempo, viu o segundo amarelo por chutar a bola para longe, quando o encontro já estava parado, e foi expulso. Em vantagem numérica, a Juventus 'encostou' o FC Porto e Chiesa, o mais perigoso dos italianos, acertou no poste aos 56 minutos e viria mesmo a colocar a 'vecchia signora' na frente do resultado, aos 63, num cabeceamento, após mais um cruzamento de Cuadrado. Os 'dragões' apenas nos últimos 10 minutos do tempo regulamentar conseguiram aproximar-se da baliza contrária, primeiro num remate de longe de Sarr (83) e depois numa jogada individual de Marega (85), que atirou ligeiramente ao lado. Nos últimos instantes da segunda parte, a Juventus esteve muito perto de garantir o apuramento, mas a barra travou um excelente remate de Cuadrado. No prolongamento, a qualificação do FC Porto acabou por ser decidida por Sérgio Oliveira, aos 115 minutos, num livre direto, em que o médio rematou por baixo da barreira, surpreendendo Szczesny. 11.ª presença portista no 'top 8' O FC Porto selou ontem de forma ‘heroica’ a 11.ª presença no ‘top 8’ da principal prova europeia de clubes de futebol.A formação ‘azul e branca’ repetiu, assim, o que já tinha conseguido em 1986/87, 1990/91, 1992/93, 1993/94, 1996/97, 1999/00, 2003/04, 2008/09, 2014/15 e 2018/19. Na Taça dos Campeões Europeus, os ‘dragões’ só chegaram duas vezes aos ‘quartos’, em 1986/87, ano do primeiro título, e em 1990/91, mas, na ‘era Champions’ (desde 1992/93), passaram a ser nove as presenças nos oito melhores. Neste ciclo, destaque para a conquista de um segundo cetro continental, em 2003/2004, e para a presença nas singulares meias-finais de 1993/94, disputadas em apenas a um jogo – os ‘dragões’ perderam 0-3 com o FC Barcelona, em Nou Camp.

Dragão de combate ‘risca’ Juventus da Europa
O FC Porto, em inferioridade numérica mais de uma hora, afastou ontem a Juventus da Liga dos Campeões de futebol, após prolongamento (derrota por 3-2), graças a uma exibição de garra, coragem e a Sérgio Oliveira. Coeso defensivamente, o FC Porto mostrou cedo qual era a estratégia, tentando apostar na velocidade para surpreender a defesa dos italianos e, aos dois minutos, deixou a primeira ameaça, num remate de Uribe ao lado, após um lance de Marega pela direita. Seguiram-se os melhores minutos da Juventus na primeira parte e, no minuto seguinte, Marchesín parou, com uma excelente defesa, um cabeceamento de Morata. O FC Porto pareceu ligeiramente abalado após este lance de perigo, mas, após alguns (poucos) minutos sem conseguir sair da área, voltou a equilibrar-se e a criar perigo, num lance em que Zaidu ganhou a Cuadrado e cruzou para Taremi, que rematou para um corte providencial de Bonucci e depois, na recarga, cabeceou à barra. Sem permitir que a Juventus criasse perigo, mesmo que tivesse mais posse de bola, os ‘dragões’ nunca abdicaram de tentar contra-atacar e acabaram por se adiantar no marcador, aos 19 minutos, por Sérgio Oliveira, na marcação de uma grande penalidade, a punir uma falta de Demiral sobre Taremi. A Juventus entrou decidida a mudar o rumo da eliminatória na segunda parte e, aos 49 minutos, Chiesa empatou a partida, num lance em que, após uma distração da defesa 'azul e branca', Ronaldo tocou para o italiano rematar para golo. Pouco depois, Taremi, que tinha visto minutos antes um amarelo por uma entrada fora de tempo, viu o segundo amarelo por chutar a bola para longe, quando o encontro já estava parado, e foi expulso. Em vantagem numérica, a Juventus 'encostou' o FC Porto e Chiesa, o mais perigoso dos italianos, acertou no poste aos 56 minutos e viria mesmo a colocar a 'vecchia signora' na frente do resultado, aos 63, num cabeceamento, após mais um cruzamento de Cuadrado. Os 'dragões' apenas nos últimos 10 minutos do tempo regulamentar conseguiram aproximar-se da baliza contrária, primeiro num remate de longe de Sarr (83) e depois numa jogada individual de Marega (85), que atirou ligeiramente ao lado. Nos últimos instantes da segunda parte, a Juventus esteve muito perto de garantir o apuramento, mas a barra travou um excelente remate de Cuadrado. No prolongamento, a qualificação do FC Porto acabou por ser decidida por Sérgio Oliveira, aos 115 minutos, num livre direto, em que o médio rematou por baixo da barreira, surpreendendo Szczesny. 11.ª presença portista no 'top 8' O FC Porto selou ontem de forma ‘heroica’ a 11.ª presença no ‘top 8’ da principal prova europeia de clubes de futebol.A formação ‘azul e branca’ repetiu, assim, o que já tinha conseguido em 1986/87, 1990/91, 1992/93, 1993/94, 1996/97, 1999/00, 2003/04, 2008/09, 2014/15 e 2018/19. Na Taça dos Campeões Europeus, os ‘dragões’ só chegaram duas vezes aos ‘quartos’, em 1986/87, ano do primeiro título, e em 1990/91, mas, na ‘era Champions’ (desde 1992/93), passaram a ser nove as presenças nos oito melhores. Neste ciclo, destaque para a conquista de um segundo cetro continental, em 2003/2004, e para a presença nas singulares meias-finais de 1993/94, disputadas em apenas a um jogo – os ‘dragões’ perderam 0-3 com o FC Barcelona, em Nou Camp.