Durão Barroso recorda "um dos fundadores do sistema político-partidário português”

 O antigo primeiro-ministro Durão Barroso destacou hoje Freitas do Amaral como um “distinto académico” e “um dos fundadores do sistema político-partidário português”, recordando o convite que lhe fez para a presidência da Assembleia Geral das...

Durão Barroso recorda "um dos fundadores do sistema político-partidário português”
 O antigo primeiro-ministro Durão Barroso destacou hoje Freitas do Amaral como um “distinto académico” e “um dos fundadores do sistema político-partidário português”, recordando o convite que lhe fez para a presidência da Assembleia Geral das Nações Unidas. “Os meus mais sentidos pêsames à família do professor Diogo Freitas do Amaral , distinto académico e um dos fundadores do sistema político-partidário português”, escreveu o ex-presidente da Comissão Europeia na rede social Twitter. Entretanto, numa nota enviada à agência Lusa, Durão Barroso frisa que, após o 25 de Abril, Freitas do Amaral “desempenhou papel de grande relevo na fundação e consolidação do sistema político-partidário português”. “Europeísta convicto, foi personalidade de grande relevo na vida política nacional”, sublinha. José Manuel Durão Barroso recordou “especialmente a presidência da Assembleia Geral da ONU”, cuja candidatura foi feita depois de o ter convidado em nome do então primeiro-ministro, Cavaco Silva. “Recordo também especialmente o seu papel como presidente da 50.ª Assembleia Geral das Nações Unidas, cargo para o qual aceitou candidatar-se na sequência de convite que lhe dirigi em nome do então Primeiro Ministro Cavaco Silva”, refere ainda o antigo primeiro-ministro Durão Barroso, na nota enviada à Lusa. O fundador do CDS e ex-ministro Diogo Freitas do Amaral morreu hoje, aos 78 anos, disse à agência Lusa fonte da família. Diogo Pinto Freitas do Amaral, professor universitário, nasceu na Póvoa de Varzim em 21 de julho de 1941. Foi líder do CDS, partido que ajudou a fundar em 19 de julho de 1974, vice-primeiro-ministro e ministro em vários governos. Freitas do Amaral, que estava internado desde 16 de setembro, fez parte de governos da Aliança Democrática (AD), entre 1979 e 1983, e mais tarde do PS, entre 2005 e 2006, após ter saído do CDS em 1992. Líder do CDS, primeiro-ministro interino, ministro em governos à esquerda e à direita, presidente da Assembleia-Geral da ONU, disse em entrevista à agência Lusa quando já se encontrava doente, em junho de 2019, que sofreu “um bocado” com a derrota nas presidenciais de 1986, embora tenha conseguido dar a volta, com “uma carreira de um tipo diferente” e partir para "uma série de pequenas vitórias".