"É agora ou nunca", afirma Paulo Cafôfo

"Nestes anos de democracia, de autonomia, estas são as eleições mais importantes. É agora ou nunca, mas sei que será agora porque confiamos numa mudança, numa vitória no dia 22 de setembro". Foi desta forma convicta que Paulo Cafôfo apelou...

"Nestes anos de democracia, de autonomia, estas são as eleições mais importantes. É agora ou nunca, mas sei que será agora porque confiamos numa mudança, numa vitória no dia 22 de setembro". Foi desta forma convicta que Paulo Cafôfo apelou esta terça-feira à noite à participação de todos os madeirenses e porto-santenses nas eleições de 22 de setembro. Durante o jantar-comício realizado na Camacha, que reuniu mais de 500 pessoas, o candidato do PS sublinhou que a Madeira está a viver um momento-chave para o seu futuro, a hora da decisão. Para Paulo Cafôfo, existem duas opções: "ou continuamos na estagnação, com um governo que não tem capacidade de resolver os problemas, que esgotou a sua capacidade governativa, ou então optamos por uma mudança protagonizada pelo PS, uma mudança de energia, de propostas mobilizadoras, inovadoras, com rumo, com uma estratégia e com as pessoas certas para as executar". "Esta é a nossa oportunidade, este é o momento decisivo", sublinhou Paulo Cafôfo. Reconhecendo que esta é uma batalha difícil, o candidato está convicto que os madeirenses e os porto-santenses irão vencer, porque a Madeira necessita de uma mudança e de um novo ciclo político. Paulo Cafôfo rejeitou liminarmente o cenário de caos que tem vindo a ser lançado por outros adversários políticos. Pelo contrário, aponta como o verdadeiro medo dos madeirenses o cenário de não serem resolvidos os problemas há demasiado tempo adiados. Para Paulo Cafôfo é essencial resolver os problemas na Saúde, nomeadamente as listas de espera e a falta de médicos e enfermeiros de família, garantir a resolução dos problemas de habitação na Região até 2026, defender a ligação ferry para Lisboa durante todo o ano e uma terceira companha aérea a voar para a Madeira, bem como a gratuitidade da escolaridade obrigatória (até ao 12.º ano), no que se refere aos manuais, à alimentação e aos transportes. Sobre as sondagens, Paulo Cafôfo foi claro: «a verdadeira sondagem será no dia 22 de setembro, essa sim, decisiva para o futuro da nossa Região». Cafôfo lembrou que, em 2013, quando pela primeira vez se candidatou à Câmara do Funchal, não houve "uma única sondagem" que lhe fosse favorável e que acabou por vencer as eleições, o que deixa o PS com todas as condições de merecer a confiança de todos os madeirenses e porto-santenses.