Eduardo Jesus concorda: “Tendência de taxa turística é inevitável”

O secretário regional que tutela o Turismo aceita o repto lançado pela Ordem dos Economistas, e concorda com a inevitabilidade da Região avançar para a aplicação da taxa turística. “O desafio foi lançado, e na intervenção imediatamente a seguir,...

Eduardo Jesus concorda: “Tendência de taxa turística é inevitável”
O secretário regional que tutela o Turismo aceita o repto lançado pela Ordem dos Economistas, e concorda com a inevitabilidade da Região avançar para a aplicação da taxa turística. “O desafio foi lançado, e na intervenção imediatamente a seguir, o vice-presidente do Governo Regional acolheu essa sugestão como matéria de reflexão, e julgo que se iniciou um processo desta forma. É uma proposta que resulta da Ordem dos Economistas, que tem tratado o setor do turismo ao longo destes anos com esta profundidade e com este rigor, que estas conferências nos trazem, e merece da nossa parte esse exercício da reflexão. E aquilo que for feito terá de envolver todo o setor e terá de ser uma solução que seja confortável, quer para o setor privado, quer para o setor público”, disse Eduardo Jesus, a montante das intervenções na cerimónia de abertura da XIII Conferência Internacional do Turismo, que decorre ao longo do dia de hoje no auditório do Centro de Congressos da Madeira. “É uma tendência inevitável a existência da existência das taxas turísticas”, até porque “temos verificado que as mesmas acontecem em todos os destinos” Eduardo Jesus lembra que “aqui não foi opção no passado e permitiu que alguns municípios se adiantassem”, mas, frisa, “não há razoabilidade na existência de taxas municipais, quando o interesse de uma taxa é reverter esse mesmo montante exclusivamente no setor turístico”.