Emanuel Câmara questiona reabertura dos serviços de saúde e de urgência no Porto Moniz e destaca investimento da autarquia na educação

Decorreu ontem mais uma reunião, presidida pelo secretário Regional da Saúde, Pedro Ramos, e na qual participaram, como habitualmente, os presidentes de Câmara e o presidente do Serviço Regional de Proteção Civil, José Dias. Emanuel Câmara, presidente da Câmara Municipal de Porto Moniz começou por informar que, no dia 4 de maio, decorreu uma reunião da Comissão Municipal de Proteção Civil do Porto Moniz com o objetivo de ser estabelecido novo ponto da situação e concertadas medidas de desconfinamento a adotar, no decorrer do mês de maio, naquele concelho.   Acrescentou que "embora se verifique a obrigatoriedade do uso de máscara, ao Porto Moniz não chegaram ainda as máscaras prometidas pelo Governo Regional, pelo que a Câmara Municipal se prepara para proceder à distribuição de uma máscara reutilizável por munícipe, após já o ter feito pelos colaboradores do Município e das quatro Juntas de Freguesia".   O autarca lamentou a ausência do secretário Regional de Educação, Ciência e Tecnologia, Jorge Carvalho, cuja presença havia sido solicitada, na reunião anterior pelo presidente da Câmara Municipal de Santana.   Verificando-se a ausência do responsável pela tutela, o presidente da Câmara solicitou ao secretário Regional da Saúde que lhe transmitisse as preocupações do executivo da Câmara Municipal de Porto Moniz, no que à Educação diz respeito, e que aqui transcrevemos:   "Desde que este executivo tomou posse, tudo fez para manter uma relação de estreita colaboração com os estabelecimentos de ensino deste concelho (na altura três, agora reduzidos a um).   A Educação é uma área na qual este Município tem investido fortemente porque sabemos da sua importância e do impacto que pode ter num concelho como o nosso. Acusam-nos até muitas vezes de darmos por dar, sem medidas estruturantes, e de investirmos em mão de obra qualificada que não voltará ao concelho. Não pensamos dessa forma, pois sabemos que os que optarem por voltar, se devidamente formados, serão uma grande mais valia e mesmo os que optem por fazer caminho fora deste concelho deixar-nos-ão sempre orgulhos se singrarem e forem bem-sucedidos. Sempre em colaboração com as escolas, ouvindo as suas necessidades e as da comunidade escolar, adotamos um conjunto de medidas de apoio à Educação, designadamente: - Apostamos na cedência gratuita de manuais escolares e cadernos de atividades, do 1.º ao 12.º ano; - Comparticipamos 50% da mensalidade da creche e atenção que já o fazemos desde que os valores a pagar eram, no nosso entender, exorbitantes; - Todos os alunos do concelho beneficiam de transporte escolar gratuito; - Atribuímos prémios de mérito a todos os anos de escolaridade. - No Ensino Superior, aumentamos a bolsa para 1500 euros anuais e fazemos o reembolso de duas passagens aéreas.   Uma autarquia que investe na Educação e que se mostra sempre recetiva a apoiar todas as iniciativas promovidas pelo estabelecimento de ensino merece ficar a  saber, pela comunicação social, das necessidades dos alunos do concelho no que diz respeito a equipamento informático que possibilite uma participação ativa e efetiva nas aulas não presenciais? Custaria muito, num trabalho de parceria e colaboração, para a importância do qual já se alertou em reuniões anteriores, a autarquia ter sido informada, procurando-se saber de que forma poderia ajudar a colmatar as necessidades diagnosticadas?   - De que forma foi efetuado o levantamento dessas necessidades? É pertinente que se coloque esta questão porque nos têm chegados muitos relatos de encarregados de educação que dizem que os seus educandos não dispõem de computador ou internet e que ainda assim não fazem parte da lista de alunos sinalizados pelo estabelecimento de ensino. - A Secretaria Regional da Educação não irá assegurar, junto com o estabelecimento de ensino, ao menos uma refeição por dia para os alunos que dela necessitem? - Se para a maioria dos alunos o regresso às aulas será só em setembro, significa que estas crianças ficarão quase seis meses sem que o estabelecimento de ensino lhes assegure uma refeição quente por dia?   Sabendo que a escola tem essa despesa orçamentada, o Presidente da Câmara disponibilizou os serviços do Município para o transporte e entrega dessas refeições, insistindo assim numa resolução conjunta do problema, uma vez que, nesta e noutras situações, as melhores soluções resultarão sempre de parcerias e diálogo".   O presidente da Câmara Municipal do Porto Moniz solicitou igualmente que fossem transmitidas aos responsáveis pelas respetivas tutelas as seguintes questões:   “- Para quando está previsto o retomar da pesca lúdica e desportiva? Esta questão assume importância para a população deste concelho, da qual fazem parte alguns pescadores amadores que veem nesta atividade um complemento à sua economia de subsistência e que anseiam por voltar ao mar, mesmo com as necessárias e compreensíveis limitações. - Não deveriam ter sido adotadas neste mês, pelos CTT, a

Decorreu ontem mais uma reunião, presidida pelo secretário Regional da Saúde, Pedro Ramos, e na qual participaram, como habitualmente, os presidentes de Câmara e o presidente do Serviço Regional de Proteção Civil, José Dias. Emanuel Câmara, presidente da Câmara Municipal de Porto Moniz começou por informar que, no dia 4 de maio, decorreu uma reunião da Comissão Municipal de Proteção Civil do Porto Moniz com o objetivo de ser estabelecido novo ponto da situação e concertadas medidas de desconfinamento a adotar, no decorrer do mês de maio, naquele concelho.   Acrescentou que "embora se verifique a obrigatoriedade do uso de máscara, ao Porto Moniz não chegaram ainda as máscaras prometidas pelo Governo Regional, pelo que a Câmara Municipal se prepara para proceder à distribuição de uma máscara reutilizável por munícipe, após já o ter feito pelos colaboradores do Município e das quatro Juntas de Freguesia".   O autarca lamentou a ausência do secretário Regional de Educação, Ciência e Tecnologia, Jorge Carvalho, cuja presença havia sido solicitada, na reunião anterior pelo presidente da Câmara Municipal de Santana.   Verificando-se a ausência do responsável pela tutela, o presidente da Câmara solicitou ao secretário Regional da Saúde que lhe transmitisse as preocupações do executivo da Câmara Municipal de Porto Moniz, no que à Educação diz respeito, e que aqui transcrevemos:   "Desde que este executivo tomou posse, tudo fez para manter uma relação de estreita colaboração com os estabelecimentos de ensino deste concelho (na altura três, agora reduzidos a um).   A Educação é uma área na qual este Município tem investido fortemente porque sabemos da sua importância e do impacto que pode ter num concelho como o nosso. Acusam-nos até muitas vezes de darmos por dar, sem medidas estruturantes, e de investirmos em mão de obra qualificada que não voltará ao concelho. Não pensamos dessa forma, pois sabemos que os que optarem por voltar, se devidamente formados, serão uma grande mais valia e mesmo os que optem por fazer caminho fora deste concelho deixar-nos-ão sempre orgulhos se singrarem e forem bem-sucedidos. Sempre em colaboração com as escolas, ouvindo as suas necessidades e as da comunidade escolar, adotamos um conjunto de medidas de apoio à Educação, designadamente: - Apostamos na cedência gratuita de manuais escolares e cadernos de atividades, do 1.º ao 12.º ano; - Comparticipamos 50% da mensalidade da creche e atenção que já o fazemos desde que os valores a pagar eram, no nosso entender, exorbitantes; - Todos os alunos do concelho beneficiam de transporte escolar gratuito; - Atribuímos prémios de mérito a todos os anos de escolaridade. - No Ensino Superior, aumentamos a bolsa para 1500 euros anuais e fazemos o reembolso de duas passagens aéreas.   Uma autarquia que investe na Educação e que se mostra sempre recetiva a apoiar todas as iniciativas promovidas pelo estabelecimento de ensino merece ficar a  saber, pela comunicação social, das necessidades dos alunos do concelho no que diz respeito a equipamento informático que possibilite uma participação ativa e efetiva nas aulas não presenciais? Custaria muito, num trabalho de parceria e colaboração, para a importância do qual já se alertou em reuniões anteriores, a autarquia ter sido informada, procurando-se saber de que forma poderia ajudar a colmatar as necessidades diagnosticadas?   - De que forma foi efetuado o levantamento dessas necessidades? É pertinente que se coloque esta questão porque nos têm chegados muitos relatos de encarregados de educação que dizem que os seus educandos não dispõem de computador ou internet e que ainda assim não fazem parte da lista de alunos sinalizados pelo estabelecimento de ensino. - A Secretaria Regional da Educação não irá assegurar, junto com o estabelecimento de ensino, ao menos uma refeição por dia para os alunos que dela necessitem? - Se para a maioria dos alunos o regresso às aulas será só em setembro, significa que estas crianças ficarão quase seis meses sem que o estabelecimento de ensino lhes assegure uma refeição quente por dia?   Sabendo que a escola tem essa despesa orçamentada, o Presidente da Câmara disponibilizou os serviços do Município para o transporte e entrega dessas refeições, insistindo assim numa resolução conjunta do problema, uma vez que, nesta e noutras situações, as melhores soluções resultarão sempre de parcerias e diálogo".   O presidente da Câmara Municipal do Porto Moniz solicitou igualmente que fossem transmitidas aos responsáveis pelas respetivas tutelas as seguintes questões:   “- Para quando está previsto o retomar da pesca lúdica e desportiva? Esta questão assume importância para a população deste concelho, da qual fazem parte alguns pescadores amadores que veem nesta atividade um complemento à sua economia de subsistência e que anseiam por voltar ao mar, mesmo com as necessárias e compreensíveis limitações. - Não deveriam ter sido adotadas neste mês, pelos CTT, as mesmas medidas que foram postas no terreno no mês transato para evitar a saída de casa de muitos idosos para levantamento das pensões? Não seria aconselhável, inclusivamente, que tais medidas se estendessem ao próximo mês? - Já existe mais alguma informação relativamente ao período e moldes de funcionamento da época balnear?”.   Emanuel Câmara concluiu a sua intervenção com a seguinte questão: “Para quando a reabertura dos Centros de Saúde e do Serviço de Urgências no concelho do Porto Moniz?”.