Embaixada dos Estados Unidos em Lisboa emite alerta de segurança para cidadãos norte-americanos

A embaixada dos Estados Unidos em Lisboa emitiu hoje um alerta de segurança aos cidadãos norte-americanos em Portugal por causa do aumento da tensão no Médio Oriente, após a morte do general iraniano Qassem Soleimani em Bagdade. No alerta,...

Embaixada dos Estados Unidos em Lisboa emite alerta de segurança para cidadãos norte-americanos
A embaixada dos Estados Unidos em Lisboa emitiu hoje um alerta de segurança aos cidadãos norte-americanos em Portugal por causa do aumento da tensão no Médio Oriente, após a morte do general iraniano Qassem Soleimani em Bagdade. No alerta, difundido online, a missão diplomática dos Estados Unidos na capital portuguesa assinala que o "aumento de tensão no Médio Oriente pode resultar e riscos de segurança acrescidos para os cidadãos norte-americanos no estrangeiro" e aconselha os norte-americanos em Portugal a manterem uma postura discreta, redobrarem a atenção em locais frequentados por turistas, reverem os planos pessoais de segurança e a manterem os documentos de viagem atualizados e acessíveis. A Embaixada adianta que continuará a acompanhar a situação de segurança e fornecerá informações adicionais se tal se revelar necessário. O comandante da força de elite iraniana Al-Quds, Qassem Soleimani, morreu na sexta-feira num ataque aéreo contra o aeroporto internacional de Bagdade que o Pentágono declarou ter sido ordenado pelo Presidente dos Estados Unidos. O ataque ocorreu três dias depois de um assalto inédito à embaixada norte-americana que durou dois dias e apenas terminou quando Trump anunciou o envio de mais 750 soldados para o Médio Oriente. O ataque já suscitou várias reações, tendo quatro dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas – Rússia, França, Reino Unido e China - alertado para o inevitável aumento das tensões na região e pedem as partes envolvidas que reduzam a tensão. O quinto membro permanente do Conselho de Segurança da ONU são os Estados Unidos. No Irão, o sentimento é de vingança, com o Presidente e os Guardas da Revolução a garantirem que o país e “outras nações livres da região” vão vingar-se dos Estados Unidos.