Entidades regionais querem prevenir consumo de álcool nas festas de finalistas

À semelhança do ano passado, realizou-se hoje uma reunião no IASAÚDE, com a participação da sua unidade UCAD, da PSP, da Câmara Municipal do Funchal, da Autoridade Regional de Atividades Económicas, e dos Conselhos Executivos das Escolas Secundárias...

Entidades regionais querem prevenir consumo de álcool nas festas de finalistas
À semelhança do ano passado, realizou-se hoje uma reunião no IASAÚDE, com a participação da sua unidade UCAD, da PSP, da Câmara Municipal do Funchal, da Autoridade Regional de Atividades Económicas, e dos Conselhos Executivos das Escolas Secundárias Jaime Moniz, Francisco Franco e da APEL. O assunto desta sessão foi as atividades das listas pré–candidatas às comissões de finalistas e futuras comissões de finalistas do ensino secundário. "Pretendemos com este encontro, analisar, refletir e delinear uma estratégia articulada e alinhada entre estas entidades, bem como envolver os alunos, os encarregados de educação, associações civis e empresários. Com efeito, não é nosso intuito acabar ou proibir festas e/ou outros eventos recreativos. Antes pelo contrário, somos favoráveis à diversão e ao entretenimento, os quais são parte integrante de um desenvolvimento psicossocial sadio. Queremos sim, garantir que estas festas cumpram os requisitos legais da legislação em vigor, garantindo desta forma, a saúde e bem-estar, a segurança pública e, sobretudo, proporcionar momentos de convívio e lazer inesquecíveis sem o consumo de substâncias psicoativas lícitas e/ou ilícitas. Nesse sentido, a pedra de toque a adotar é a prevenção, a informação e o esclarecimento, é nosso objetivo apoiar, estimular e consciencializar os jovens e os passos que devem dar na organização destes eventos.  Por conseguinte, vamos promover uma reunião com todas as listas pré-candidatas na próxima semana, bem como a elaboração de uma carta de intenções, para ser utilizada nas três escolas, a qual englobará um conjunto de informações legais, processuais e técnico-científicas, da competência de cada entidade. Toda esta informação pode ser sempre complementada com o contacto direto com as entidades. Por último e não menos importante, apelamos à participação ativa dos pais, encarregados de educação e dos empresários, por forma a promovermos uma cultura preventiva onde impere a proteção da saúde e segurança dos nossos jovens", refere a nota enviada à imprensa.