EUA: FBI procura vítimas de antigo lutador de boxe que terá assassinado 93 pessoas

Samuel Little tem 79 anos. Está na cadeia por três homicídios que lhe valeram uma condenação a prisão perpétua em 2014. Agora, numa série de entrevistas gravadas por um Ranger numa cadeia do estado do Texas, confessou um total de 93 homicídios,...

EUA: FBI procura vítimas de antigo lutador de boxe que terá assassinado 93 pessoas
Samuel Little tem 79 anos. Está na cadeia por três homicídios que lhe valeram uma condenação a prisão perpétua em 2014. Agora, numa série de entrevistas gravadas por um Ranger numa cadeia do estado do Texas, confessou um total de 93 homicídios, cometidos entre 1970 e 2005, avança o Correio da Manhã. O FBI – que classifica este lutador de boxe, que se tornou um nómada sem-abrigo, como "o mais prolífico assassino em série da história dos EUA" – já confirmou 50 destes casos , mas está a pedir ajuda para identificar as restantes vítimas. A dimensão do caso levou mesmo o FBI a criar uma página na internet dedicada a Samuel Little – ‘Confissões de um Assassino’ – em que estão a ser divulgadas as entrevistas do serial killer e os desenhos feitos pelo próprio com os rostos das vítimas por identificar, de acordo com a mesma fonte.  Apesar de alguns dos crimes terem acontecido há mais de 40 anos, Samuel Little, recorda em pormenor cada uma das mortes e até se recorda do rosto das vítimas, que desenha e entrega às autoridades. Little foi detido pelo menos 15 vezes entre 1966 e 1995, por roubos e furtos, mas nunca foi associado a nenhum dos homicídios até 2012, quando foi detido por consumo de droga num abrigo no Kentucky. Os testes de ADN ligaram-no a três homicídios ocorridos em Los Angeles entre 1987 e 1999, que estavam por resolver. Esta foi ‘a ponta do novelo’ que o FBI ainda está a ‘desenrolar’. As vítimas, quase todas mulheres, eram prostitutas, toxicodependentes ou sem-abrigo. "Durante muitos anos, Samuel Little acreditou que não seria apanhado. Pensava que ninguém se preocupava com estas mulheres. Mas, apesar de o suspeito já estar na prisão, o FBI acredita que é importante trazer justiça a cada uma das vítimas e encerrar todos os casos possíveis", afirmou Christie Palazzolo, analista criminal responsável pelo departamento de Crime Violento do FBI. Grande parte dos corpos nunca chegaram a ser encontrados ou identificados. E mesmo aqueles que foram descobertos ficaram por desvendar, uma vez que as mortes foram atribuídas a overdoses ou acidentes. Samuel Little usava apenas as mãos para matar. Confissão em troca de mudança de cadeia Samuel Little confessou os crimes a um Ranger do Texas, que investigava um homicídio em Odessa, quando estava numa cadeia da Califórnia, mas apenas depois de lhe ser prometido que iria ser transferido para uma prisão no Texas.