Europa bate recorde de calor na quarta-feira, mas temperaturas vão aumentar

Recordes absolutos de calor foram estabelecidos na quarta-feira na Alemanha, na Bélgica e na Holanda, mas as temperaturas devem voltar a subir hoje numa Europa sob alerta. Na Alemanha, o recorde registou-se a oeste, com os termómetros na cidade...

Europa bate recorde de calor na quarta-feira, mas temperaturas vão aumentar
Recordes absolutos de calor foram estabelecidos na quarta-feira na Alemanha, na Bélgica e na Holanda, mas as temperaturas devem voltar a subir hoje numa Europa sob alerta. Na Alemanha, o recorde registou-se a oeste, com os termómetros na cidade de Geilenkirchen a ascenderam aos 40,5ºC (graus Celsius). O anterior recorde no país datava de julho de 2015, em Geilenkirchen (40,3ºC). À tarde, na Holanda, os termómetros mostravam 38,8ºC em Rijen, no sul, e 39,2ºC em Eindhoven, perto de Amesterdão. O último recorde no país remontava a 1944, segundo o Instituto Meteorológico Real holandês. O calor é tanto no país que o metal dilatou em algumas pontes localizadas em Amesterdão e Haarlem, obrigando as autoridades municipais a arrefecer o material com água. Para o mesmo efeito, o canal de televisão local RTV Oost tem transmitido imagens de paisagens cobertas de neve. No oeste do país, a imprensa local noticiou que várias centenas de porcos morreram, na terça-feira à noite, em Middelharnis, devido ao calor e à falta de ventilação. A Bélgica, onde o alerta vemelho foi emitido primeira vez, também quebrou um recorde histórico. Uma temperatura de 39,9°C foi medida na base militar Kleine-Brogel, no nordeste, segundo Instituto Meteorológico Real. É “a temperatura mais alta desde em 1833", indicaram. Mas a onda de calor não fica por aqui, com os meteorologistas a preverem um novo aumento das temperaturas até sexta-feira. Hoje, deve ser a vez da capital francesa, Paris, bater o recorde de 1947 (40,4°C). O calor extremo pode mesmo desmoronar os tetos da catedral de Notre Dame, já debilitados devido ao grave incêndio que aconteceu em abril, avisou o arquiteto-chefe do monumento histórico de França.