Exposição ‘O Teatro Deste Lugar Não Tem Chão’ inaugurada na RESTOCK Galeria

“As personagens acotovelam-se nos bastidores, o(s) espetador(es) emociona(m)-se e sobrevoam um reino de histórias tensas e intensas. A realidade é condicionada pela angústia dos dias, busca de um lugar anterior algures na infância”, informa...

Exposição ‘O Teatro Deste Lugar Não Tem Chão’ inaugurada na RESTOCK Galeria
“As personagens acotovelam-se nos bastidores, o(s) espetador(es) emociona(m)-se e sobrevoam um reino de histórias tensas e intensas. A realidade é condicionada pela angústia dos dias, busca de um lugar anterior algures na infância”, informa a organização sobre a exposição. Acrescenta que a dança parada das meninas que pervertem o beijo (oculto), e a menina artista que se purifica por entremeio da arte. Os desenhos florescem, as pinturas germinam, há uma janela, esboços de teatro quase grotesco, são presenças veladas de Frida, Espanca ou Medeia. A arte da Carla Cabral é tão somente a(s) mulher(es), acesa(s) de sangue. “A não princesa escreve um nome... uma história forte mas num tom baixinho, vagaroso. A mulher cão ou não princesa, desenha sobre a nossa retina os dados de uma corrosão da vida, a existência crua, cruel, cronometrada. Agora são as luzes ‘acendidas’ no lugar do palco, emite-se em voz off o poema de Eduardo Pitta, (in Desobediências, 2011)”, conclui.