Faleceu Albino Rodrigues, árbitro do século do futebol madeirense

O desporto está de luto devido ao falecimento de Albino Rodrigues, um dos melhores árbitros da história do futebol madeirense. Eleito o árbitro do século da Associação de Futebol da Madeira, numa votação levada a cabo para comemorar os 100 anos de existência da organização associativa, Albino Rodrigues sempre reuniu consenso entre os seus pares, não só pela qualidade como fazia cumprir as regras, mas também pela disponibilidade que sempre manifestou para transmitir conhecimentos a gerações vindouras. O início da carreira num plano nacional ocorreu em 1972, onze anos depois de se ter iniciado num meio onde a saída da esfera regional era ainda uma miragem. Desbravou, por isso, caminho nunca antes percorrido até atingir as provas internacionais, tendo participado em jogos de seleções e clubes. Albino Rodrigues terminou a carreira ao mais alto nível do futebol português e só deixou de apitar por limite de idade, dedicando-se posteriormente a ações de formação de jovens árbitros. O JM lamenta o desaparecimento de um dos maiores símbolos da arbitragem madeirense e endereça condolências aos seus familiares e amigos.

O desporto está de luto devido ao falecimento de Albino Rodrigues, um dos melhores árbitros da história do futebol madeirense. Eleito o árbitro do século da Associação de Futebol da Madeira, numa votação levada a cabo para comemorar os 100 anos de existência da organização associativa, Albino Rodrigues sempre reuniu consenso entre os seus pares, não só pela qualidade como fazia cumprir as regras, mas também pela disponibilidade que sempre manifestou para transmitir conhecimentos a gerações vindouras. O início da carreira num plano nacional ocorreu em 1972, onze anos depois de se ter iniciado num meio onde a saída da esfera regional era ainda uma miragem. Desbravou, por isso, caminho nunca antes percorrido até atingir as provas internacionais, tendo participado em jogos de seleções e clubes. Albino Rodrigues terminou a carreira ao mais alto nível do futebol português e só deixou de apitar por limite de idade, dedicando-se posteriormente a ações de formação de jovens árbitros. O JM lamenta o desaparecimento de um dos maiores símbolos da arbitragem madeirense e endereça condolências aos seus familiares e amigos.