Faleceu jovem que sobrevivia com 26 cêntimos por dia para suportar despesas de saúde do irmão

Uma jovem estudante, natural da província de Guizhou, sobreviveu durante anos com 26 cêntimos para poder suportar as despesas de saúde do irmão, que era doente mental, mas acabou por falecer desnutrida no início deste ano. De acordo com o Correio...

Faleceu jovem que sobrevivia com 26 cêntimos por dia para suportar despesas de saúde do irmão
Uma jovem estudante, natural da província de Guizhou, sobreviveu durante anos com 26 cêntimos para poder suportar as despesas de saúde do irmão, que era doente mental, mas acabou por falecer desnutrida no início deste ano. De acordo com o Correio da Manhã, esta pesava pouco mais de 20 quilos e estava totalmente desnutrida.  A mesma fonte conta que em outubro de 2019, a mulher de 24 nos foi internada no hospital com problemas respiratórios. Na altura, os médicos revelaram que a estudante universitária sofria de problemas cardíacos e renais graves, resultado dos anos a fio que passou a alimentar-se em quantidades nutritivas insuficientes. Em declarações aos meios de comunicação chineses, citados pelo CM, a mulher revelou que perdeu a mãe quando tinha apenas quatro anos de idade. Mais tarde viu o pai e a avó morrerem na miséria, ficando sozinha. Valeu-lhe a generosidade de uma tia que lhe dava uma mesada de 39 euros (300 yans), cuja maior parte do dinheiro servia para pagar as contas hospitalares do irmão. Wu gastava apenas cerca de 26 cêntimos consigo própria, alimentando-se à base de arroz e pimentos durante anos. Quando chegou ao hospital, tinha apenas 1,35 metros de altura e estava tão desnutrida que 50% das suas sobrancelhas e cabelo tinha caído. De acordo com a mesma publicação, que cita a BBC, a província onde os irmãos residem é uma das mais pobres da China. Quando o caso foi tornado público, gerou-se uma onda de revolta nas redes sociais contra o governo chinês e as autoridades competentes, que foram acusadas de nada fazer para apoiar os jovens. A jovem estaria a receber, pouco antes da sua morte, cerca de 90 euros por parte do Estado, e preparava-se para receber em breve um fundo de emergência no valor de 2600 euros.