Falta de gasolina na Marina do Funchal revolta empresários ligados à observação dos cetáceos

Pedro Mendes Gomes, empresário ligado à obsrvação de cetáceos na Madeira, está indignado: faltou gasolina na Marina do Funchal durante quase seis dias. Além disso, esta não é a primeira mas sim a quarta vez durante este verão. O empresário...

Falta de gasolina na Marina do Funchal revolta empresários ligados à observação dos cetáceos
Pedro Mendes Gomes, empresário ligado à obsrvação de cetáceos na Madeira, está indignado: faltou gasolina na Marina do Funchal durante quase seis dias. Além disso, esta não é a primeira mas sim a quarta vez durante este verão. O empresário lamenta, na sua página de Facebook, o sucedido, considerando que esta é uma má imagem para o Turismo e para a Madeira. Ao JM, Pedro Mendes Gomes diz não comprender que quem gere a Marina do Funchal não perceba que é preciso reforçar a gasolina no posto local, tendo em conta que há mais barcos a chegar e mais saídas das empresas ligadas à observação de cetáceos, que totalizam 14. Durante estes últimos quase seis dias, faltou gasolina e as empresas tiveram de ir buscar o combustível às bombas de gasolina tradicionais. E isto, conforme frisa, nada tem a ver com a greve que acontece em Lisboa devido à paralisação dos motoristas de matérias perigosas. Pedro Mendes Gomes afirma que a última falha só hoje foi solucionada e já pelas 16 horas. Recorda que "temos compromissos, temos clientes e não podemos andar a ir às bombas de gasolina, pois isso causa um desgaste muito grande e atrasa a nossa atividade". Os funcionários estão com dores nas costas, desgastados. Além disso, "corremos o risco de apanhar multas!", defendeu. A Rota dos Cetáceos gasta, nesta altura do ano, 900 litros de gasolina por dia. Pedro Mendes Gomes diz que o desânimo é geral não pertencendo apenas à Rota dos Cetáceos.