Folclore dançado por 320 elementos de oito países na VIII Gala ‘Manuel Ferreira Pio’

A Praça do Povo está a ser palco, esta noite, da VIII Gala Internacional de Etnografia e Folclore Manuel Ferreira Pio, um dos momentos mais esperados do programa do ‘Funchal Folk - Arraial do Mundo’. Este evento, que conta com o apoio do JM...

Folclore dançado por 320 elementos de oito países na VIII Gala ‘Manuel Ferreira Pio’
A Praça do Povo está a ser palco, esta noite, da VIII Gala Internacional de Etnografia e Folclore Manuel Ferreira Pio, um dos momentos mais esperados do programa do ‘Funchal Folk - Arraial do Mundo’. Este evento, que conta com o apoio do JM e da 88.8, é muito especial para a organização, pelo facto de ser “um justo e merecido tributo ao seu fundador”. Foi em 1967 que Manuel Ferreira Pio, coadjuvado por um grupo de aficionados do folclore e tradições, fundou, no Sítio da Lavada da Corujeira, um agrupamento de folclore com o nome de MonteVerde. Na cerimónia de abertura da gala, Marco Mendonça, o presidente do grupo de folclore, regozijou-se por “ver a Praça do Povo cheia. Para mim, é, sem dúvida, uma enorme alegria”, admitiu. “Todos os momentos que estamos a viver, durante esta semana de ‘Funchal Folk - Arraial do Mundo’ têm sido um grande sucesso”, adiantou ainda, enaltecendo a enorme participação dos elementos dos grupos de folclore: “320, é muito”, exclamou. As mais de três centenas de participantes são oriundos de oito países - Colômbia, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Itália, Paraguai e Rússia, além de Portugal, representado pelo grupo anfitrião, pelos Açores (com o Grupo Folclórico do Salão) e também pelo Grupo Folclórico de Santa Marta de Portuzelo e pelo Rancho Folclórico e Recreativo Clube Bonjardim. Por outro lado, o responsável realçou que os troféus que foram entregues aos participantes do ‘Funchal Folk’ foram criados a partir do tema adotado este ano: ‘As corridas do Espírito Santo’. Na ocasião marcou presença também Paulo Lopes, membro do CIOFF Portugal - Comité Internacional de Organização de Festivais de Folclore, que abordou a intenção do MonteVerde em associar-se a esta organização não governamental, com a chancela da UNESCO. “Em oito anos, acho que o Grupo de Folclore MonteVerde vai ser o primeiro a ser, tão cedo, sócio efetivo como festival do CIOFF Portugal”, complementando que, “se tudo correr bem, este festival terá mais uma bandeira erguida para o ano, que será uma bandeira do CIOFF”. A vereadora da Câmara Municipal do Funchal, Madalena Nunes, representou o presidente nesta iniciativa, e explicou que, “para conseguirmos que este evento seja certificado pelo CIOFF, tudo tem que correr muitíssimo bem. Já tivemos duas avaliações positivas, assim o MonteVerde o conseguiu, e este ano esperamos ter a terceira positiva, porque estamos à espera da certificação”. Lembrou que “os vários grupos que vão passar pelo palco já andaram pela cidade, durante estes dias, dando um colorido e um dinamismo fantástico à cidade”. Acentuou ainda que, “apesar do apoio financeiro e logístico da Câmara, só é possível isto realizar-se porque há um grupo que decidiu ser aventureiro e levar este festival para a frente. Esse grupo foi o MonteVerde, que não teve medo, que se associou a outras entidades e que conseguiu trazer este festival de grande qualidade para este palco”, elogiou.