França inicia levantamento gradual das restrições a partir de maio

O primeiro-ministro de França anunciou ontem o alívio gradual, a partir de 3 de maio, das restrições que vigoram no país para mitigar a propagação do SARS-CoV-2, com a reabertura do comércio e serviços não-essenciais. “O pico da terceira vaga da pandemia” ficou para trás, com uma “queda da circulação viral em dez dias”, disse o chefe do Governo francês, Jean Castex, em conferência de imprensa. França também atingiu “o topo da 'onda' de internamentos”, acrescentou Castex. Estes indicadores são o mote para o início do desconfinamento no país, que voltou atrás em março para tentar conter a propagação do SARS-CoV-2, uma vez que os números de infeções diárias e de óbitos associados à covid-19 disparavam diariamente Por essa razão, a partir de 3 de maio, o país vai levantar as “restrições às viagens durante o dia” e considerar, “dependendo da evolução da situação sanitária, uma reabertura em meados de maio”, que poderá começar com as lojas, “algumas atividades culturais e desportivas, e com as esplanadas”, especificou o primeiro-ministro. A lista referente ao que reabre e o que vai continuar encerrado ainda não está fechada, prosseguiu Castex, mas vai ser atualizada mediante a evolução da pandemia em França. As aulas presenciais para as creches e o ensino básico regressam na próxima segunda-feira, 26 de abril, conforme o que estava previsto, mas o ensino secundário apenas reabrirá presencialmente a partir de 03 de maio. O regresso ao ensino presencial vai ser acompanhado de um “protocolo muito rígido”, que inclui o “reforço maciço” dos testes para detetar o SARS-CoV-2 – estão previstos 64 milhões de testes para funcionários das escolas e estudantes. A pandemia parece estar em declínio em França, mas vários epidemiologistas continuam a alertar para a fragilidade deste decréscimo, já que os internamentos continuam elevados, com pelo menos 30.634 pessoas hospitalizadas, 6.000 das quais em unidades de cuidados intensivos, de acordo com o último boletim epidemiológico divulgado pelas autoridades sanitárias francesas. As viagens entre regiões estão atualmente proibidas e limitadas a dez quilómetros durante o dia. Há dever de recolhimento entre as 19:00 e as 06:00, que deverá continuar até indicação em contrário, referiu o primeiro-ministro.

França inicia levantamento gradual das restrições a partir de maio
O primeiro-ministro de França anunciou ontem o alívio gradual, a partir de 3 de maio, das restrições que vigoram no país para mitigar a propagação do SARS-CoV-2, com a reabertura do comércio e serviços não-essenciais. “O pico da terceira vaga da pandemia” ficou para trás, com uma “queda da circulação viral em dez dias”, disse o chefe do Governo francês, Jean Castex, em conferência de imprensa. França também atingiu “o topo da 'onda' de internamentos”, acrescentou Castex. Estes indicadores são o mote para o início do desconfinamento no país, que voltou atrás em março para tentar conter a propagação do SARS-CoV-2, uma vez que os números de infeções diárias e de óbitos associados à covid-19 disparavam diariamente Por essa razão, a partir de 3 de maio, o país vai levantar as “restrições às viagens durante o dia” e considerar, “dependendo da evolução da situação sanitária, uma reabertura em meados de maio”, que poderá começar com as lojas, “algumas atividades culturais e desportivas, e com as esplanadas”, especificou o primeiro-ministro. A lista referente ao que reabre e o que vai continuar encerrado ainda não está fechada, prosseguiu Castex, mas vai ser atualizada mediante a evolução da pandemia em França. As aulas presenciais para as creches e o ensino básico regressam na próxima segunda-feira, 26 de abril, conforme o que estava previsto, mas o ensino secundário apenas reabrirá presencialmente a partir de 03 de maio. O regresso ao ensino presencial vai ser acompanhado de um “protocolo muito rígido”, que inclui o “reforço maciço” dos testes para detetar o SARS-CoV-2 – estão previstos 64 milhões de testes para funcionários das escolas e estudantes. A pandemia parece estar em declínio em França, mas vários epidemiologistas continuam a alertar para a fragilidade deste decréscimo, já que os internamentos continuam elevados, com pelo menos 30.634 pessoas hospitalizadas, 6.000 das quais em unidades de cuidados intensivos, de acordo com o último boletim epidemiológico divulgado pelas autoridades sanitárias francesas. As viagens entre regiões estão atualmente proibidas e limitadas a dez quilómetros durante o dia. Há dever de recolhimento entre as 19:00 e as 06:00, que deverá continuar até indicação em contrário, referiu o primeiro-ministro.