Fundos estruturais preocupam PSD-Madeira

Os deputados do PSD-Madeira na Assembleia da República consideram preocupante o posicionamento do Governo de António Costa na negociação dos fundos para o próximo Quatro Comunitário de Apoio. “A Comissão Europeia apresentou uma proposta que...

Fundos estruturais preocupam PSD-Madeira
Os deputados do PSD-Madeira na Assembleia da República consideram preocupante o posicionamento do Governo de António Costa na negociação dos fundos para o próximo Quatro Comunitário de Apoio. “A Comissão Europeia apresentou uma proposta que implicava uma redução de 7% dos fundos que Portugal usufruiu no quadro que agora termina, mas a presidência finlandesa está a agravar esse corte para 10 a 12%”, lembrou, ontem, Sérgio Marques, defendendo que o primeiro-ministro António Costa deve “fazer valer o seu peso político” junto de Bruxelas, “até porque tem a comissária Elisa ferreira que dispõe da gestão dos fundos estruturais e o ministro das Finanças é presente do Eurogrupo. Sérgio Marques que foi, hoje porta-voz dos social-democratas, no final de uma reunião com a direção da Associação Comercial e Industrial do Funchal (ACIF) considera preocupante que a negociação se arraste e que o Executivo português não se tenha posicionado face aos aumentos previstos para países mais desenvolvido, como é o caso de Espanha que se prevê vá beneficiar de um aumento de 6% nos recursos financeiros disponíveis. “Esta distribuição não faz sentido e não vemos nenhuma reação do Governo da República.  Esperemos que não seja um mau sinal”, critica o deputado. Os deputados do PSD Madeira querem que as Regiões Ultraperiféricas (RUP) continuem a beneficiar, no próximo Quadro Comunitário para 2021 e 2027, de uma discriminação positiva, que as taxas de cofinanciamento possam ser mantidas nos 85% e que o pré-financiamento também possa ser mantido.