Fungo nefasto para a cultura da banana preocupa Cláudia Aguiar

Atendendo ao peso e à importância vital que a cultura da Banana da Madeira representa para a economia regional e para os cerca de 2.900 produtores existentes na Região, a eurodeputada Cláudia Monteiro de Aguiar questionou, por escrito, a Comissão...

Fungo nefasto para a cultura da banana preocupa Cláudia Aguiar
Atendendo ao peso e à importância vital que a cultura da Banana da Madeira representa para a economia regional e para os cerca de 2.900 produtores existentes na Região, a eurodeputada Cláudia Monteiro de Aguiar questionou, por escrito, a Comissão Europeia acerca das medidas que pretende tomar para fazer face aos impactos do Fungo Fusarium oxysporum ou Tropical Race 4 (TR4), altamente perigoso para esta produção. “Confirmada a chegada do fungo ao continente americano, em agosto deste ano, impõe-se saber quais as medidas de prevenção e combate que a Comissão Europeia está a desenvolver, juntos dos países afetados, bem como impacto económico que terá a disseminação do fungo na produção europeia e, em particular na Região Autónoma da Madeira”, sublinha a Eurodeputada, referindo que, de acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o Fusarium oxysporum ou Tropical Race 4 (TR4) pode contaminar mais de 80% das espécies de banana atualmente cultivadas e levar à perda da totalidade das plantações. Apesar de não haver risco para a saúde humana, esta fruta, cultivada em 130 países, é o alimento básico de milhões de pessoas e é uma das principais atividades agrícolas das regiões ultraperiféricas da União Europeia, como a Madeira, sendo a sua produção essencial para o desenvolvimento socioeconómico destas regiões. Ainda segundo a FAO, a prevenção e as medidas fitossanitárias são as formas mais eficazes de controlar a doença, bem como a diversificação e o melhor uso de recursos genéticos disponíveis para criar resiliência à doença a longo prazo. De acordo com notícias recentemente veiculadas, confirma-se, na Colômbia, em agosto deste ano, a chegada do fungo Tropical Race 4 (TR4) à América Latina, um fungo altamente perigoso para a produção mundial de banana. Uma vez estabelecido num campo de cultivo, este pode levar a uma perda do rendimento de 100%. Acresce que, já em janeiro de 2016, havia sido noticiada a perigosidade de outro fungo: o Black Sigatoka. A banana, cultivada em 130 países, é o alimento básico de milhões de pessoas. De igual forma, a banana é uma das principais atividades agrícolas das regiões ultraperiféricas da União Europeia, na Madeira e Açores, Ilhas Canárias, Guadalupe e Martinica, sendo a sua produção essencial para o desenvolvimento socioeconómico destas regiões. Segundo a FAO, a prevenção e as medidas fitossanitárias são as formas mais eficazes de controlar a doença, bem como a diversificação e o melhor uso de recursos genéticos disponíveis para criar resiliência à doença a longo prazo. A eurodeputada questiona, então, a Comissão Europeia: Quais os riscos para a produção de banana na União Europeia e que medidas irá tomar para reduzir os possíveis impactos na produção europeia? Qual o impacto económico que terá a disseminação dos fungos na produção europeia e, em particular na Madeira? Que medidas, em colaboração com a FAO, pondera tomar nos países terceiros afetados?