Governo vai observar reabertura das creches no continente para agir depois na Madeira

O secretário regional da Saúde reconheceu hoje que o distanciamento social será a "grande dificuldade" na reabertura das creches e jardins de infância, e que a Madeira vai analisar os resultados da reabertura em outros locais antes de decidir sobre a matéria. "Vamos ter 15 dias para vermos os impactos da retoma a nível nacional. Estamos a seguir aquilo que já acontece na França - ainda hoje vimos imagens de uma escola com miúdos de quatro anos com áreas definidas no exterior da escola onde podiam brincar - e, portanto, tudo isso tem de ser muito bem preparado, muito bem pensado", disse. A decisão da região será tomada "na altura própria", sabendo que hoje "não há uniformidade nas decisões tomadas", pois a DGS deu umas orientações e outros países deram outras. Pedro Ramos reconheceu que esta é uma matéria difícil de decidir, e não se comprometeu com uma data para a reabertura dos jardins de infância e creches.

O secretário regional da Saúde reconheceu hoje que o distanciamento social será a "grande dificuldade" na reabertura das creches e jardins de infância, e que a Madeira vai analisar os resultados da reabertura em outros locais antes de decidir sobre a matéria. "Vamos ter 15 dias para vermos os impactos da retoma a nível nacional. Estamos a seguir aquilo que já acontece na França - ainda hoje vimos imagens de uma escola com miúdos de quatro anos com áreas definidas no exterior da escola onde podiam brincar - e, portanto, tudo isso tem de ser muito bem preparado, muito bem pensado", disse. A decisão da região será tomada "na altura própria", sabendo que hoje "não há uniformidade nas decisões tomadas", pois a DGS deu umas orientações e outros países deram outras. Pedro Ramos reconheceu que esta é uma matéria difícil de decidir, e não se comprometeu com uma data para a reabertura dos jardins de infância e creches.