Hassan Diab, apoiado pelo Hezbollah, vai formar novo governo do Líbano

O Presidente libanês, Michel Aoun, vai nomear primeiro-ministro Hassab Diab, apoiado pelo movimento xiita Hezbollah e os seus aliados, após quase dois meses de hesitações e quando o governo enfrenta uma contestação inédita, indicou hoje a Presidência....

Hassan Diab, apoiado pelo Hezbollah, vai formar novo governo do Líbano
O Presidente libanês, Michel Aoun, vai nomear primeiro-ministro Hassab Diab, apoiado pelo movimento xiita Hezbollah e os seus aliados, após quase dois meses de hesitações e quando o governo enfrenta uma contestação inédita, indicou hoje a Presidência. “Após consultas parlamentares (…), o Presidente encarregou Hassan Diad de formar um governo”, declarou a Presidência num comunicado após as reuniões que já tinham sido adiadas duas vezes. Professor universitário e ex-ministro da Educação (2011-2014), Hassan Diab, 60 anos, conseguiu o apoio de 69 deputados (do bloco dos movimentos xiitas Amal e Hezbollah e de eleitos ligados a Aoun) entre os 128 do parlamento. Diab, que enfrenta a difícil tarefa de formar um governo para fazer face à pior crise económica do país desde a guerra civil libanesa de 1975-90, não conseguiu o apoio dos principais líderes sunitas do país, incluindo o do anterior primeiro-ministro Saad Hariri. A agência noticiosa norte-americana Associated Press nota que ainda não é claro se a nomeação satisfaz os manifestantes cujo protesto levou à demissão de Hariri e que pediram um governo de tecnocratas e independentes. À beira do colapso económico, o Líbano é palco desde 17 de outubro de uma revolta popular inédita contra a classe dominante, acusada de corrupção e incompetência, e corre agora o risco da violência sectária. Globalmente pacífico, o movimento de contestação tem sido marcado desde sábado por confrontos violentos entre manifestantes antigovernamentais e forças de segurança e entre estas e partidários dos movimentos xiitas Hezbollah e Amal, que atacaram os contestatários. Cerca de um terço dos libaneses vive abaixo do limiar de pobreza e o desemprego, que atinge mais de 30% da população jovem, tem aumentado. A precária situação económica e financeira do Líbano degradou-se nas últimas semanas, com crescentes restrições bancárias, uma falta de liquidez e receios de uma desvalorização da moeda, a libra libanesa, indexada ao dólar desde 1997.