Humberto Vasconcelos critica quem condena apoios às Casas do Povo

“Há quem critique o dinheiro que o Governo Regional atribui às Casas do Povo, sem reconhecer o meritório trabalho que desenvolvem, apesar de ser o projeto mais humano que temos na nossa Região Autónoma", afirmou Humberto Vasconcelos, esta manhã,...

Humberto Vasconcelos critica quem condena apoios às Casas do Povo
“Há quem critique o dinheiro que o Governo Regional atribui às Casas do Povo, sem reconhecer o meritório trabalho que desenvolvem, apesar de ser o projeto mais humano que temos na nossa Região Autónoma", afirmou Humberto Vasconcelos, esta manhã, marcou presença na cerimónia comemorativa do 29º aniversário da Casa do Povo de São Roque do Faial.  Na opinião do secretário regional dRegional de Agricultura e Desenvolvimento Rural, as críticas "são pessoas que, claramente, não conhecem a Madeira, que não saíram do Funchal ou, então, que passaram a vida nos cafés do centro, em vez de virem ao interior para perceberem o trabalho que fazem" "Isto é o mundo verdadeiro, a Madeira verdadeira, que se desenvolveu ao longo dos tempos, mas que preservou as tradições e a cultura. Por isso, este Governo tem vindo, e bem, a aumentar as verbas para que as Casas do Povo possam manter as suas atividades, uma aposta que é para manter”, garantiu o governante, garantindo que "se vai empenhar para que seja dado o primeiro passo para a construção de uma nova centralidade em São Roque do Faial, nomeadamente na edificação de um auditório para mostrar o trabalho que se faz". Relativamente ao 29º aniversário da Casa do Povo de São Roque do Faial, Humberto Vasconcelos falou aos presentes confessando que era "com enorme felicidade" e de "coração cheio" que ali estava, "neste momento de convívio, muito importante do ponto de vista humano, numa Casa do Povo que é especial". "Apesar das condições singelas e pequenas", o governante elogiou o "grande trabalho" que é feito por esta casa do povo, salientando como aspetos positivos o facto de "dialogar com todas as instituições locais" e de organizar "um conjunto de atividades muito valiosas, através de fantásticos voluntários, que precisamos de elogiar, que fazem questão de demonstrar carinho, criando empatia e amizade".