Idalina Perestrelo alerta para o uso excessivo de plásticos

A vice-presidente da Câmara Municipal do Funchal, Idalina Perestrelo, marcou presença, esta manhã, na Sala da Assembleia Municipal, na abertura da sessão pública de apresentação de resultados do projeto de investigação nacional PlasticGlobal,...

Idalina Perestrelo alerta para o uso excessivo de plásticos
A vice-presidente da Câmara Municipal do Funchal, Idalina Perestrelo, marcou presença, esta manhã, na Sala da Assembleia Municipal, na abertura da sessão pública de apresentação de resultados do projeto de investigação nacional PlasticGlobal, que envolve equipas do Porto, Lisboa e Madeira. Idalina Perestrelo, que tem a seu cargo o pelouro da Ciência na Autarquia, disse, na ocasião, que “todos temos de ter consciência desta problemática, e este projeto vem no sentido de nos dar mais experiência, pois é preciso conhecer e investigar para podermos agir, para que depois seja possível tomar as medidas mais adequadas na luta por esta causa, que infelizmente está a devastar o nosso ecossistema marinho, e consequentemente, a prejudicar a nossa saúde”. O uso excessivo de plásticos tem sido um tema que a Câmara Municipal do Funchal tem focado especial atenção, “esta é uma questão de interesse público, e como tal, lançamos no ano passado, uma Estratégia Municipal de Combate à Poluição provocada pelo Plástico descartável, na qual definimos 10 grandes medidas orientadoras no que diz respeito à diminuição do uso do plástico no concelho”. Durante a sessão foram apresentados os resultados deste projeto, que foi dividido em duas fases, sendo que a primeira parte teve como objetivo documentar os microplásticos e contaminantes associados na água, sedimentos e biota de três tipos de ecossistemas, no mar profundo na Madeira, noutros pontos da área costeira portuguesa e ainda na área estuarina, que compreende o estuário do rio Minho, incluído na rede Natura 2000. Na segunda parte do projeto, as equipas de investigação do Funchal, Lisboa e Porto trataram os dados experimentais em apoio a modelos que representam a transferência de contaminantes selecionados através de redes alimentares. Esta foi uma parceria entre o Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental da Universidade do Porto, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, o MARE-Madeira e o IMAR–Madeira, através da Estação de Biologia Marinha do Funchal, que integra o Departamento de Ciência e Recursos Naturais da Câmara Municipal do Funchal.