Iniciativa Liberal quer eliminar cargo de Representante da República

Duarte Gouveia, o cabeça de lista da Iniciativa Liberal (IL) pelo círculo da Madeira à Assembleia da República, compromete-se a defender os direitos e liberdades dos cidadãos face a um Estado que mostra “querer ser cada vez mais opressor, no...

Iniciativa Liberal quer eliminar cargo de Representante da República
Duarte Gouveia, o cabeça de lista da Iniciativa Liberal (IL) pelo círculo da Madeira à Assembleia da República, compromete-se a defender os direitos e liberdades dos cidadãos face a um Estado que mostra “querer ser cada vez mais opressor, no sentido de querer mandar tudo, saber tudo e decidir sobre tudo”. Falava aos jornalistas na entrega da lista do partido, esta tarde, no Palácio da Justiça. Centrando-se na Madeira, a principal proposta da IL requer alterações profundas ao topo do Estado, nomeadamente a revisão e alteração da Constituição, para eliminar o cargo de Representante da República, o que, por si só, “permite uma poupança, nos Açores e na Madeira, no total de dois milhões de euros”, e o reequacionar da forma como está definido o sistema autonómico das regiões da Madeira e dos Açores, para que fique claro que competências ficam reservadas ao Estado. As alterações permitirão também “conquistar mais” no sentido da continuidade territorial, algo que, para o candidato da IL, está previsto na Constituição, mas precisa de aperfeiçoamento, não só a nível aéreo e marítimo, mas também a nível das telecomunicações e transporte de materiais, em particular nas encomendas postais.  “Se formos eleitos, a nossa primeira medida acontece logo no domingo das eleições, porque existe um compromisso da Iniciativa Liberal de não pedir a subvenção para as campanhas”, por não se identificarem com o modelo de campanhas atual, que parece “do século passado”, baseado em “carros de som, comícios e distribuição de brindes”, acrescenta o cabeça de lista da IL Madeira às legislativas nacionais, que explica que o primeiro deputado da IL a ser eleito dará imediatamente uma poupança ao Estado de cerca de 333 mil euros.