Investigadores questionam estudos que apontam riscos do consumo carnes vermelhas

Uma investigação internacional sobre consumo de carnes vermelhas e processadas concluiu que os estudos que durante décadas apontaram o perigo destes produtos para a saúde não têm fundamento suficiente. Os investigadores, que publicaram o seu...

Investigadores questionam estudos que apontam riscos do consumo carnes vermelhas
Uma investigação internacional sobre consumo de carnes vermelhas e processadas concluiu que os estudos que durante décadas apontaram o perigo destes produtos para a saúde não têm fundamento suficiente. Os investigadores, que publicaram o seu trabalho na revista Annals os Internal Medicine, concluíram que os benefícios para a saúde de reduzir o consumo de carnes vermelhas e processadas são poucos e não suficientes para dizer às pessoas para deixarem de consumir este tipo de carne. O estudo já foi contestado por diversos investigadores da Universidade de Harvard, que em comunicado defendem que este novo trabalho “prejudica a credibilidade da ciência da nutrição e desgasta a confiança pública na investigação científica”. "Esta é uma recomendação de saúde muito irresponsável", disse Frank Hu, que lidera o departamento de nutrição da Escola de Saúde T.H. Chan, da Universidade de Harvard. "É desconcertante, dada a clara evidência dos danos associados ao alto consumo de carne vermelha", acrescentou. Alguns críticos chegaram mesmo a pedir à Annals of Internal Medicine para não publicar este novo trabalho. Dos 14 autores do estudo agora publicado, 11 recomendaram ao público que mantenha os hábitos de consumo de carnes vermelhas e três expressaram apenas uma “leve sugestão” para que se reduza o consumo. Os investigadores questionam as diretrizes da Organização Mundial da Saúde, assim como as da Sociedade Americana Contra o Cancro e da Associação Americana do Coração, que durante anos defenderam que as carnes vermelhas e processadas aumentam o risco de doenças cardiovasculares e de alguns tipos de cancro. "A certeza para demonstrar essas reduções de risco foi baixa e muito baixa", disse o epidemiologista da Universidade de Dalhousie (Canadá), Bradley Johnston, líder do grupo de pesquisadores, denominado NutriRECS. Os investigadores indicaram ainda que os benefícios de reduzir o consumo apenas se percebe ao considerar grandes amostras de população, pelo que recomendar às pessoas que mudem os seus hábitos não é necessário. "Eles não estão a dizer que a carne tem menos riscos, o que eles dizem é que o risco com o qual todos concordam é aceitável para as pessoas", disse à CNN Marji McCullough, diretor de epidemiologia da Sociedade Americana Contra o Cancro.