Jardim vai a julgamento a 6 de fevereiro

O julgamento que opõe o professor António Loja ao ex-presidente do Governo da Madeira, Alberto João Jardim, acusado dos crimes de difamação, injúrias e abuso de liberdade de imprensa, foi agendado para 06 de fevereiro, disse hoje fonte judicial....

Jardim vai a julgamento a 6 de fevereiro
O julgamento que opõe o professor António Loja ao ex-presidente do Governo da Madeira, Alberto João Jardim, acusado dos crimes de difamação, injúrias e abuso de liberdade de imprensa, foi agendado para 06 de fevereiro, disse hoje fonte judicial. Este processo decorre no Tribunal Judicial da Madeira desde 17 de fevereiro de 2016, tendo o julgamento sido sucessivamente adiado por recursos interpostos pela defesa de Alberto João Jardim. Este caso só começou a ser julgado 21 anos depois de Jardim cessar o cargo de governante e ter deixado de gozar de imunidade parlamentar, sendo considerado um dos mais antigos processos da Comarca da Madeira. Jardim é acusado dos crimes de difamação, injúrias e abuso de liberdade de imprensa, alegadamente contra o historiador e militante do PS António Fernandes Loja. O ex-presidente da Região Autónoma da Madeira responde em tribunal por dois artigos de opinião - sob o título "A loja dos rancores" - publicados no Jornal da Madeira em 23 e 26 de novembro de 1994. "Era marxista há menos de oito dias, agora é só interpretação histórica"; "tão pirado que não vê as próprias grosserias e descobre-as nos outros"; "não fui eu que andei com perseguições após o 25/4 [25 de Abril]"; "nunca andei a espreitar funcionários policialmente"; "a criatura endoidou"; "ordinarote" e "o homenzinho, ao ler isto, caem-lhe mais três dentes, dois de raiva e um de senilidade" foram algumas das expressões e frases utilizadas pelo então líder madeirense, segundo a acusação. O ex-governante alega, por seu lado, que as expressões utilizadas foram empregues no âmbito do debate político. No processo foi deduzida acusação particular e feito um pedido cível de indemnização no valor de 600.000 escudos (perto de 3.000 euros) contra o social-democrata. Alberto João Jardim deveria ser julgado pela juíza Joana Dias, mas esta apresentou um pedido de escusa dirigido ao Tribunal da Relação de Lisboa, alegando que não devia estar à frente do processo por ser inquilina de uma casa propriedade de Alberto João Jardim. Os juízes desembargadores consideraram que esta situação poderia gerar “desconfiança” e aceitaram, em junho de 2019, o pedido de Joana Dias e o processo passou para a juíza Elsa Serrão.