JPP diz que SESARAM não cumpre com os enfermeiros

O Juntos pelo Povo (JPP) numa serie de reuniões que tem mantido com diversos setores de atividade, reuniu com o sindicato dos enfermeiros onde abordou os problemas atuais desta classe profissional. Bruno Berenguer referiu o desagrado de uma...

JPP diz que SESARAM não cumpre com os enfermeiros
O Juntos pelo Povo (JPP) numa serie de reuniões que tem mantido com diversos setores de atividade, reuniu com o sindicato dos enfermeiros onde abordou os problemas atuais desta classe profissional. Bruno Berenguer referiu o desagrado de uma parte da classe profissional após os descongelamentos das carreiras e após as negociações com o SESARAM, “sendo que o SESARAM não cumpriu na integra com o que estava acordado, nomeadamente no que respeita ao prejuízo que sofreram os enfermeiros formadores, que no serviço eram uma mais valia, e que progrediram por essa via, mas que agora veem inviabilizada a contagem de pontos desde que foi feito o congelamento em 2004.” O candidato do JPP também abordou as condições de alguns enfermeiros especialistas, que foram esquecidos em 2018. “Neste momento, alguns destes enfermeiros prestadores de cuidados diferenciados não são beneficiados pelo suplemento remuneratório, ou seja, foram esquecidos pelo SESARAM.” Bruno Berenguer conclui referindo que o SESARAM precisa de apostar continuamente nos cuidados de saúde primários e nos cuidados continuados para que a qualidade do sistema de saúde seja uma realidade. “É necessário continuar a contratar enfermeiros para o Serviço Regional de Saúde, para que as melhorias na Saúde se materializem, por via dos cuidados primários.” O JPP aponta uma inversão remuneratória, imposta pelas regras de administração pública, a cerca de 80 enfermeiros, que por terem investido na sua formação especializada e por terem progredido nas carreiras durante o congelamento estão, neste momento, a ganhar menos que os enfermeiros generalistas com igual tempo de serviço. “Quem investiu na sua formação e passou a prestar cuidados diferenciados aos utentes, é prejudicado em termos remuneratórios, uma situação que contribui para uma falta de coesão e de desmotivação nos profissionais.”