JPP lamenta "falta de soluções" para o encerramento dos CTT no Caniçal

O Juntos Pelo Povo (JPP) lamentou, este sábado, numa iniciativa política realizada no Caniçal, as políticas que têm sido seguidas no que diz respeito aos postos dos CTT. Abordando a “falta de soluções” para o fecho do posto dos CTT no centro...

JPP lamenta "falta de soluções" para o encerramento dos CTT no Caniçal
O Juntos Pelo Povo (JPP) lamentou, este sábado, numa iniciativa política realizada no Caniçal, as políticas que têm sido seguidas no que diz respeito aos postos dos CTT. Abordando a “falta de soluções” para o fecho do posto dos CTT no centro da freguesia do Caniçal, o deputado Rafael Nunes afirma que este “é o resultado das politicas de privatização do governo PSD/CDS que nunca foram resolvidas” e que foram “uma tragédia para os serviços sociais das freguesias”, colocando em causa serviços como o levantamento de pensões e reformas, reembolso de viagens aéreas e o pagamento de água e luz. Conforme refere o JPP, surgiu em tempos uma solução para o posto oficial dos CTT, que passou pela adaptação de algumas unidades comerciais em postos improvisados e provisórios dos CTT. Contudo, estas irão encerrar e “deixar uma vez mais a população sem qualquer alternativa que não ir até à cidade de Machico”. Estando em causa estes serviços de proximidade, que se poderão extinguir a partir do dia 14 de janeiro, uma vez que esta é a data em que termina o contrato e não existe informação que indique que este será renovado, o JPP associa-se “à necessidade de salvaguardar os interesses máximos da população”, especificamente quanto aos serviços que possivelmente ficarão vedados à população e que as obrigará a deslocar-se a Machico para proceder à sua resolução normal”. Rafael Nunes lembrou ainda que, “devido ao processo de privatização por parte do governo PSD/CDS”, há juntas de freguesia que acabam por absorver e assumir estas funções, exemplificando com o caso de Gaula e da Camacha.