Luanda Leaks: Costa quer Portugal a colaborar na investigação e separa empresas e acionista

O primeiro-ministro afirmou hoje que compete a Portugal "colaborar totalmente" com as investigações das autoridades angolanas e fez uma separação entre a situação da acionista Isabel dos Santos e a atividade das empresas por ela participadas....

Luanda Leaks: Costa quer Portugal a colaborar na investigação e separa empresas e acionista
O primeiro-ministro afirmou hoje que compete a Portugal "colaborar totalmente" com as investigações das autoridades angolanas e fez uma separação entre a situação da acionista Isabel dos Santos e a atividade das empresas por ela participadas. António Costa falava aos jornalistas depois de ter estado presente na inauguração de novas instalações e de novos laboratórios da multinacional portuguesa Hovione, em Loures, depois de interrogado sobre a matéria revelada pela investigação jornalística aos negócios da empresária angolana Isabel dos Santos. "Compete a Portugal colaborar totalmente com as autoridades angolanas, tal como temos vindo a fazer e como iremos fazer. Espero que este caso permita à justiça angolana tratar aquilo que tem a tratar e às empresas portuguesas continuarem a desenvolver a sua atividade dentro do maior quadro de estabilidade possível", reagiu o primeiro-ministro. Interrogado sobre a situação em que poderão ficar grandes empresas portuguesas em que a empresária Isabel dos Santos detém participações relevantes, António Costa procurou então traçar uma linha de demarcação entre a questão da acionista e continuação da atividade dessas mesmas empresas. "Não conheço em pormenor os casos judiciais, mas a investigação tem sido sobre uma acionista e não sobre as empresas. Portanto, as medidas que sejam adotadas em relação à acionista não afetarão necessariamente as empresas. As empresas têm uma distinção entre aquilo que são os seus capitais, os seus recursos, e aquilo que é o capital e os recursos dos seus acionistas", alegou.