Madeira com menos 4,2% de taxa de ocupação hoteleira em julho

A taxa de ocupa√ß√£o dos hot√©is subiu 0,8 pontos percentuais para os 81% em julho, face ao mesmo m√™s de 2018, enquanto os pre√ßos m√©dios baixaram 1% para 116 euros, divulgou hoje a AHP. O ‚ÄėAHP Tourism Monitors‚Äô, elaborado pela Associa√ß√£o da Hotelaria...

Madeira com menos 4,2% de taxa de ocupação hoteleira em julho
A taxa de ocupa√ß√£o dos hot√©is subiu 0,8 pontos percentuais para os 81% em julho, face ao mesmo m√™s de 2018, enquanto os pre√ßos m√©dios baixaram 1% para 116 euros, divulgou hoje a AHP. O ‚ÄėAHP Tourism Monitors‚Äô, elaborado pela Associa√ß√£o da Hotelaria de Portugal (AHP), destaca que em julho de 2019, a taxa de ocupa√ß√£o registou um crescimento expressivo neste indicador nos destinos Aveiro (mais 14,9 pontos percentuais), A√ßores (mais 6,5 pontos percentuais) e Minho (mais 6,2 pontos percentuais). Em sentido contr√°rio estiveram os destinos Alentejo, que caiu 4,3 pontos percentuais, Madeira, menos 4,2 pontos percentuais, e Beira Interior e Viseu, com menos 3,3 pontos percentuais. J√° quanto ao pre√ßo m√©dio por quarto (ARR), que decresceu 1% no per√≠odo em an√°lise, fixando-se nos 116 euros, a associa√ß√£o destaca a quebra dos destinos Beira Interior e Viseu (menos 13%), Leiria/F√°tima/Templ√°rios (menos 10%) e Lisboa (menos 6%). O pre√ßo m√©dio por quarto dispon√≠vel (RevPar) fixou-se, por sua vez, nos 93 euros, mais 0,1% face ao per√≠odo hom√≥logo. Os destinos tur√≠sticos com o RevPar mais elevado foram Algarve (136 euros), Estoril/Sintra (107 euros) e Lisboa (106 euros), sinaliza a associa√ß√£o. ‚ÄúTanto no ARR, como no RevPar, h√° a salientar o crescimento de 9% e 6%, respetivamente, nas duas estrelas, e a quebra de 5% e 4%, respetivamente, nas cinco estrelas‚ÄĚ, destaca. De acordo com a presidente executiva da AHP, Cristina Siza Vieira, citada num comunicado enviado pela associa√ß√£o ‚Äújulho foi um m√™s um pouco at√≠pico, com alguns destinos a sacrificar os pre√ßos para aumentar a taxa de ocupa√ß√£o, como foi o caso de Leiria/F√°tima/Templ√°rios e Lisboa. No entanto, deve destacar-se que destinos como A√ßores, Grande Porto, Aveiro e Algarve registaram, neste m√™s, uma ocupa√ß√£o acima dos 80%. Crescendo na taxa de ocupa√ß√£o sem sacrif√≠cio do pre√ßo‚ÄĚ. Por regi√Ķes, no Minho, em julho de 2019, a taxa de ocupa√ß√£o foi de 71%, revelando uma subida de 6,2 pontos percentuais, face ao per√≠odo hom√≥logo, enquanto o ARR foi de 77 euros e o RevPar cresceu 24%. No Grande Porto, durante o m√™s de julho de 2019, os indicadores no destino demonstraram, face ao per√≠odo hom√≥logo, um crescimento de 10% no RevPar, enquanto o ARR se fixou nos 98 euros e a taxa de ocupa√ß√£o foi de 84%, mais 2,6 pontos percentuais do que em julho de 2018. Na regi√£o de Coimbra, as unidades hoteleiras apresentaram, em julho de 2019, uma taxa de ocupa√ß√£o de 72%, o que representa uma quebra de tr√™s pontos percentuais face ao per√≠odo hom√≥logo, com o ARR de 74 euros e o RevPar a evidenciar um crescimento de 6%. Em Lisboa, no m√™s de julho de 2019, o destino tur√≠stico Lisboa registou uma taxa de ocupa√ß√£o de 89%, revelando um aumento de 2,3 pontos percentuais face a julho de 2018, com o RevPar a cifrar-se em 106 euros e o ARR a descer 6%. No Algarve, a taxa de ocupa√ß√£o foi de 83%, mais 0,5 pontos percentuais face ao m√™s hom√≥logo de 2018, o ARR foi de 2019 de 164 euros e o RevPar aumentou 3%. Na Madeira, em julho de 2019, a hotelaria apresentou uma taxa de ocupa√ß√£o de 77%, menos 4,2 pontos percentuais face a julho de 2018, o ARR evidenciou uma subida de 6% e o RevPar fixou-se nos 67 euros. Nos A√ßores, em julho de 2019, apresentou uma taxa de ocupa√ß√£o de 91%, mais 6,5 pontos percentuais do que no per√≠odo hom√≥logo anterior, o ARR foi de 105 euros e o RevPar cresceu 15%.