Madeira também disse 'presente' à Greve Climática

Uma centena de manifestantes juntou-se esta tarde, frente à Assembleia Legislativa Regional, no Funchal, reivindicando medidas em prol do ambiente contra as alterações climáticas. Mobilizados por associações ambientalistas, jovens estudantes,...

Madeira também disse 'presente' à Greve Climática
Uma centena de manifestantes juntou-se esta tarde, frente à Assembleia Legislativa Regional, no Funchal, reivindicando medidas em prol do ambiente contra as alterações climáticas. Mobilizados por associações ambientalistas, jovens estudantes, aos quais se juntaram adultos, colocaram a Madeira no mapa da contestação que acontece esta sexta-feira em diversos pontos do globol, seguindo o exemplo da sueca Greta Thunberg. Ao dar início aos discursos, Emanuel Ornelas, da associação Zero Waste, e principal dinamizador da manifestção, esclareceu que não se tratava de uma iniciativa de cariz partidário, mas uma chamada de atenção para um bem comum, que é o planeta. Seguiu-se a leitura do manifesto reivindicativo nacional em que é exigida a declaração de emergência climática, a meta da neutralidade carbónica até 2030, encerramento das centrais elétricas a carvão de Sines e do Pego e o fim das concessões para prospeção de combustíveis fósseis como prioridades. O presidente do Sindicato dos Professores da Madeira, Francisco Oliveira, foi um dos adultos que se juntou à causa. Recorde-se que um pré-aviso de greve deu a possibilidade aos professores que quisessem participar de justificarem a falta. Despertar Madeira, Wake Up, Quercus e Zero foram as associações ambientalistas organizadoras. Entre os manifestantes, estavam elementos do Bloco de Esquerda e do PS. Também a UMAR se fez representar.