Maestro Ariel Zuckermann dirige concerto da OCM com Suzana Bartal como solista convidada

A Orquestra Clássica da Madeira apresenta, no próximo dia 1 de fevereiro, pelas 18h00, no Teatro Municipal Baltazar Dias, um concerto que será dirigido pelo maestro Ariel Zuckermann, com a pianista Suzanna Bartal como solista convidada. Neste...

Maestro Ariel Zuckermann dirige concerto da OCM com Suzana Bartal como solista convidada
A Orquestra Clássica da Madeira apresenta, no próximo dia 1 de fevereiro, pelas 18h00, no Teatro Municipal Baltazar Dias, um concerto que será dirigido pelo maestro Ariel Zuckermann, com a pianista Suzanna Bartal como solista convidada. Neste concerto serão interpretadas peças 'Die Fledermaus Overture', de Johann Strauss;  'Concerto para piano e orquestra nº2, Op.22 [1868]'  de Charles-Camille Saint-Saëns e 'Variações Enigma Op. 36' de Edward Elgar. Ariel Zuckermann é diretor musical da Israel Chamber Orchestra desde a temporada 2015/16, é um dos maestros mais requisitados da nova geração. Ele estudou direção com Jorma Panula na Academia Real de Música de Estocolmo e mais tarde com Bruno Weil na Musikhochschule de Munique. Até 2013 ocupou o cargo de diretor musical da destacada Georgian Chamber Orchestra. Os próximos destaques incluem apresentações no Marvão Festival em Portugal; com Poznan Philharmonic, Haydn Orchestra Bolzano e Norrlands Operan na Suécia; um retorno ao Festival Telavi em Tbilisi; e sua estreia japonesa com a New Orquestra Filarmónica do Japão, apresentando um ciclo completo de concertos para piano de Beethoven, com o lendário pianista Elisso Virsaladze. Ariel Zuckermann iniciou sua carreira como maestro enquanto assistente de Iván Fischer no Budapest Festival Orchestra, resultando em uma série de performances aclamadas pela crítica. Estreou-se com a Deutsches Symphonie-Orchester em Berlim e com a Orquesta Sinfónica de Euskadi numa tournée em Espanha. Outros compromissos recentes incluem estreias com o MDR Sinfonieorchester, Norddeutsche Philharmonie Rostock e Dalasinfoniettan, além de uma extensa tournée gravação de CD com a Australian Youth Orchestra. Foi convidado novamente para dirigir a Israel Philharmonic Orchestra, Riga Sinfonietta, Bayerisches Staatsorchester, NDR Radiophilharmonie, Sinfonieorchester Basel, Luzerner Sinfonieorchester, KBS Symphony Orchestra, Bremer Philharmoniker, Hungarian National Philharmonic, Budapest Festival Orchestra, ORF Radio-Symphonieorchester Wien, Czech Philharmonic Orchestra, Bamberger Symphoniker, Deutsche Radio Philharmonie Saarbrücken Kaiserslautern, WDR Sinfonieorchester Köln, Orquesta Filarmónica de Gran Canaria, Danish National Symphony Orchestra, Taipei Symphony Orchestra, tal como, Zürcher Kammerorchester, Kammerorchester Basel, Stuttgarter Kammerorchester e Camerata Salzburg. Dirigiu igualmente a nova produção da ópera Donizetti "Viva La Mamma" em Munique no Gärtnerplatztheater. Vencedor de inúmeras competições internacionais, Ariel Zuckermann iniciou a sua carreira musical como flautista. Estudou em Munique com Paul Meisen e András Adorján. Já a pianista franco-húngara, Suzana Bartal nasceu em Timisoara onde iniciou a sua educação musical. Desde 2005, retomou os seus estudos em França -Paris e em Lyon no CNSMD e entre 2011 e 2014 na Yale School of Music, onde obteve o seu doutoramento em Artes Musicais. Vencedora do prestigiado concurso "Concert Artists Concerto Competition" em 2013, em Nova Iorque, apresentou-se em salas e festivais tais como o Beethoven-Haus em Bonn, Salle Pleyel, Radio France e Auditorium Musée d'Orsay em Paris, Merkin Hall em Nova Iorque, Milton Tribunal em Londres, o Festival "Classique au Vert" em Paris, o Palazetto Bru Zane em Veneza, o Festival de Música de Câmara Kaposvar (Húngria), Schloss Elmau (Alemanha), o Festival de Parques Aix-en-Provence, o Festival de «Epau, Rencontres Musicales Evian, Festival Berlioz, Festival de Besançon, Ópera Vichy e Festival de Música Turku (Finlândia). Realizou gravações na France Musique, na Radio Classique, na Radio France Internationale, WDR (West Deutscher Rundfunk), Danish Radio, além da rádio e televisão húngara e romena. O seu primeiro álbum com obras a solo de Schumann, foi lançado em 2016 pela Paraty (distribuição Harmonia Mundi) o qual foi calorosamente recebido pela crítica. Os destaques da temporada 2019-2020 incluem a sua estreia com a Orquestra Filarmónica de Paris, apresentando o concerto Grieg, um recital no Auditório do Museu do Louvre, e concertos em muitos países europeus, EUA e China. Interessada na música contemporânea, Suzana trabalhou com alguns compositores notáveis, tais como Thomas Adès e Eric Tanguy (dos quais estreou várias obras). Extremamente ativa como instrumentista de música de câmara, apresentou-se com músicos de destaque, nomeadamente com os violinistas Josef Spacek, Kristóf Baráti, Alina Pogostkina, Rosanne Philippens, Alexandra Conunova, a violetista Lise Berthaud, os violoncelistas Henri Demarquette, Edgar Moreau, Benedict Klöckner, István Várdai e Claudio Bohorquez, o clarinetista Pierre Génisson e o Quatuor Zaïde. A gravação da integral de Liszt Années de pèlerinage, será lançada em março de 2020 pela etiqueta Naïve. Foi nomeada diretora artística do Festival «Piano à Riom» a partir de 2020.