Mais de um milhão de pessoas fez pedido de vacinação no portal de autoagendamento

Mais de um milhão de pessoas fez o pedido de marcação para receber a vacina contra a covid-19 na plataforma de autoagendamento, avançou esta quarta-feira o coordenador da task force do plano de vacinação, o vice-almirante Gouveia e Melo. "O autoagendamento é uma coisa essencial porque já permitiu agendar mais de um milhão de pessoas e um milhão de pessoas agendadas manualmente é um esforço gigantesco", disse o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo a jornalistas, à margem de uma visita ao centro de vacinação de Monte Abraão, no concelho de Sintra, onde nos últimos dias se verificaram longas filas de espera para vacinação. Gouveia e Melo adiantou que, apesar de o autoagendamento sofrer "muitas vezes" de problemas informáticos que vão sendo resolvidos, a plataforma permitiu "retirar o agendamento manual que foi necessário no início porque eram pessoas muito idosas e infoexcluídas". Ao substituir-se esse método por "um agendamento mais automático e mais rápido", está a libertar-se recursos humanos que são necessários para o processo de vacinação, declarou. Desde que se iniciou o plano de vacinação, em 27 de dezembro de 2020, Portugal já recebeu 7.263.540 vacinas, tendo sido distribuídas pelos postos de vacinação do país e pelas duas regiões autónomas 6.299.315 doses, segundo o último relatório semanal da vacinação da Direção-Geral da Saúde.

Mais de um milhão de pessoas fez pedido de vacinação no portal de autoagendamento
Mais de um milhão de pessoas fez o pedido de marcação para receber a vacina contra a covid-19 na plataforma de autoagendamento, avançou esta quarta-feira o coordenador da task force do plano de vacinação, o vice-almirante Gouveia e Melo. "O autoagendamento é uma coisa essencial porque já permitiu agendar mais de um milhão de pessoas e um milhão de pessoas agendadas manualmente é um esforço gigantesco", disse o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo a jornalistas, à margem de uma visita ao centro de vacinação de Monte Abraão, no concelho de Sintra, onde nos últimos dias se verificaram longas filas de espera para vacinação. Gouveia e Melo adiantou que, apesar de o autoagendamento sofrer "muitas vezes" de problemas informáticos que vão sendo resolvidos, a plataforma permitiu "retirar o agendamento manual que foi necessário no início porque eram pessoas muito idosas e infoexcluídas". Ao substituir-se esse método por "um agendamento mais automático e mais rápido", está a libertar-se recursos humanos que são necessários para o processo de vacinação, declarou. Desde que se iniciou o plano de vacinação, em 27 de dezembro de 2020, Portugal já recebeu 7.263.540 vacinas, tendo sido distribuídas pelos postos de vacinação do país e pelas duas regiões autónomas 6.299.315 doses, segundo o último relatório semanal da vacinação da Direção-Geral da Saúde.