Médico do SESARAM frequenta mestrado sobre AVC na Suíça

O médico Tiago Freitas, do SESARAM, está a frequentar o ‘Master of Advanced Studies in Stroke Medicine’ da Universidade de Berna, na Suíça, anunciou hoje o Serviço de Saúde regional, indicando que este mestrado “tem o selo de qualidade da European Stroke Organization (ESO)”. “Este mestrado em AVC (Acidente Vascular Cerebral) decorre em cinco semestres e está estruturado em nove módulos para além de uma tese de mestrado, o que equivale a cerca de 1.800 horas de trabalho, realizado num formato híbrido”, explica o SESARAM. No final, os médicos frequentarão um estágio numa unidade de AVC certificada pela ESO, fora do país de origem. Em Portugal apenas o Hospital de Gaia tem a unidade certificada. Tiago Freitas é especialista em Medicina Interna e reconhece a importância deste mestrado, já que em todo o país “apenas uma colega de Leiria tem” esta formação. Este selo de qualidade da ESO é dado a unidades diferenciadas, pelo que Tiago Freitas considera ser “interessante esta aprendizagem” com alunos/médicos de múltiplas nacionalidades, em termos de futuro. “Tendo estes contactos, esta ponte, ver como as unidades de AVC certificadas pela ESO funcionam lá fora, podemos tentar adotar aqui algumas medidas que possam ser implementadas”, refere. Três semanas serão presenciais em Berna com cursos intensivos teórico-práticos. A frequência neste mestrado é conseguida através de uma bolsa da ESO.

Médico do SESARAM frequenta mestrado sobre AVC na Suíça
O médico Tiago Freitas, do SESARAM, está a frequentar o ‘Master of Advanced Studies in Stroke Medicine’ da Universidade de Berna, na Suíça, anunciou hoje o Serviço de Saúde regional, indicando que este mestrado “tem o selo de qualidade da European Stroke Organization (ESO)”. “Este mestrado em AVC (Acidente Vascular Cerebral) decorre em cinco semestres e está estruturado em nove módulos para além de uma tese de mestrado, o que equivale a cerca de 1.800 horas de trabalho, realizado num formato híbrido”, explica o SESARAM. No final, os médicos frequentarão um estágio numa unidade de AVC certificada pela ESO, fora do país de origem. Em Portugal apenas o Hospital de Gaia tem a unidade certificada. Tiago Freitas é especialista em Medicina Interna e reconhece a importância deste mestrado, já que em todo o país “apenas uma colega de Leiria tem” esta formação. Este selo de qualidade da ESO é dado a unidades diferenciadas, pelo que Tiago Freitas considera ser “interessante esta aprendizagem” com alunos/médicos de múltiplas nacionalidades, em termos de futuro. “Tendo estes contactos, esta ponte, ver como as unidades de AVC certificadas pela ESO funcionam lá fora, podemos tentar adotar aqui algumas medidas que possam ser implementadas”, refere. Três semanas serão presenciais em Berna com cursos intensivos teórico-práticos. A frequência neste mestrado é conseguida através de uma bolsa da ESO.